All posts in Barcelona

JO ♥ BCN

JO ♥ BCN

Jo ♥ BCN  *eu amo Barcelona

Férias (de filho!) é sempre igual, assunto pra compartilhar aqui no blog é que não falta, mas cadê o tempo?

Todo o tempo que sobra é dedicado à aproveitar o sol e essa cidade que eu amo cada verão ano um pouco mais, quer saber porque?

Continuar lendo…

das coisas que um filho ensina – dia 8

As vezes as horas que o pequeno fica na escola, não são suficientes pra fazer tudo que tenho que fazer.

Ontem, depois de buscá-lo, preparei o lanche, coloquei um DVD e voltei pro computador pra tentar terminar um trabalho… Dois minutos depois, o filhote vem pra perto e fala:

- Não quero assistir televisão, quero brincar. Vem brincar comigo?

Respondo, que sim, sim, claro! Deixa só a mamãe terminar uma coisa rápida e já estou com você… Respondo, quase sem olhar pra ele, mas vejo que ele sai do quarto com cara de resignação…

Minutos depois, ele volta.

- Mamãe, acabou teu tempo! Vamos passear?

Olho pela janela e me dou conta que tá fazendo um dia lindo lá fora.

Penso que por mais que tenha aprendido sobre prioridades desde que ele nasceu, ainda não aprendi o suficiente.

desligo o computador e fomos aproveitar o dia lá fora e essa primavera que está de luxo (e tudo passa tão rápido!)

***

O comentário da Fabi, me fez lembrar uma tirinha do Calvin, que eu amo (e repito aqui no blog):

Tirinha: http://depositodocalvin.blogspot.com/

Fatos & Fotos

Ele caiu, ficou com a cara toda ralada, chorou um pouco na hora, mas já quis correr, chutar, pular, brincar depois de 3 minutos.
Porem, quase 3 dias depois a mãe ainda não consegue segurar o impulso de colocar cara de pena e encher de beijos curativos cada vez que olha essa carinha machucada.

No táxi a caminho do dentista (odisseia que hei de relatar algum dia aqui no blog). Filhote pergunta: Que isso mamãe? – É a torre Agbar, filho. – Ahhhhhh…
Essa foi só uma das milhares de respostas dadas ao longo do caminho.

Torre Agbar – Barcelona – Foto google images

De noite, em casa, brincando com as peças de “construção”…

– Papai, papai! Olha, a torre Agbar:

(fala sério, dá pra não morrer de amor?)
Tive o prazer de conhecer a Pati, o Junior, a Sonica (mãe, pai e avó) e o próprio (simpaticíssimo e liiiiiiiindo) Pedro.
Foi um encontro super rápido, que depois recapitulando tive a sensação de ter deixado a maioria dos assuntos pela metade (quem sai com uma criança de quase 3 anos há de me entender…).
Mas que ficou uma sensação gostosa de agradecimento à blogosfera por essa oportunidade de conhecer pessoas tão legais, com gostinho de quero mais e uma constatação: mamães de bebês pequenos, aproveitem, viagem, passeiem, marque com os amigos, é infinitamente mais fácil enquanto eles são pequenos.Pati,
Espero repetir algum dia desses, aqui, na Holanda, em Sampa ou em algum outro lugar desse mundão. beijo grande.

Futebol

Adoro futebol!

E tive a sorte de nascer num país que de 4 em 4 anos, vive a copa do mundo da forma mais intensa e emocionante jamais vivida, é a pátria que calça chuteiras do Nelson Rodrigues, que se pinta de verde-amarelo e que pára inteira para ver a seleção entrar no campo.

Tenho inúmeras lembranças relacionadas a Copa.

Me lembro claramente do primeiro ano que aprendi a ver futebol, em 86, das vitórias, da festa, da minha rua na Pompéia, toda pintada de ” É TETRA BRASIL”, da energia incrível de gritar gol e sentir todo um país gritando junto… lembro da ansiedade pré jogo… do pênalti perdido pelo Zico, o “galinho” que segundo meu pai era o melhor jogador do mundo, da decisão por pênaltis contra a França… do silêncio no final… das cara tristes dos jogadores e torcedores e de chorar junto com eles a tristeza de “voltar pra casa”.
 

O futebol faz parte da nossa cultura, faz parte da minha brasilidade e das lembranças da minha infância. E o futebol do Brasil, é arte, é jogo bonito, é emoção, é o povo feliz, é um campinho improvisado em cada canto, é paixão desde pequenininho é festa e alegria.
 

Moreré/Bahia

De 86 pra cá já foram 5 copas, algumas com mais emoção e outras com menos, mas com aquela euforia louca de ser favorito, sempre! Mesmo com todos criticando o técnico, mesmo que o time não esteja nem tão bom esse ano…

Mas é o Brasil, e a esperança de sentir a emoção de ser campeão de novo.

Me lembro de viver o tetra, no interior da Bahia, com direito a comemorar com trio elétrico na mais intensa explosão de alegria.

E de viver o penta, em Barcelona, no ano que cheguei aqui, e comemorar com milhares de brasileiros e simpatizantes, que tingiam as ramblas de verde-amarelo e entre samba, timbaus e fogos gritávamos “a rambla é nossa, ha ha hu hu…”.
***Os catalães apesar de serem apaixonados por futebol, não vibram tanto com a copa do mundo, um pouco porque a seleção espanhola, nunca chegou muito perto de ser campeã, nunca sentiu esse gostinho… ;) Mas o motivo principal é que os catalães não se sentem espanhois por consequência da história e da repressão cultural que sofreu durante anos…

Camp Nou-Barcelona Foto: Vitão


 
Na verdade, eu acredito que a maioria deles, (os catalães), principalmente esse ano que o time da Espanha está formado por muitos jogadores do Barça, não seja tão indiferente quanto aparenta ser. Sinto que está rolando uma torcida silenciosa, que não é capaz de vestir a camisa e torcer apaixonadamente porque pra isso, é preciso identificação e pertencimento… Mas já começo a ouvir alguns sussuros esperançosos de uma possível final com a seleção “canarinha”.

 

Oxalá! Tô torcendo por isso!

 

Adoraria!

 

E se por um lado é legal sair na rua, e viver a copa do mundo numa cidade cosmopolita, com turistas e imigrantes de todas as nações (e times, e bandeiras e camisas…), por outro lado, sinto falta da unanimidade das nossas cores e do eco dos gritos de gol fazendo uma ola na rua.
Mas, mesmo assim, a milhas e milhas distante do próprio país, a gente faz a nossa festa, se veste de verde-amarelo e nos juntamos pra ver o jogo.
Nessa copa, a primeira do João, estou mais animada que nunca, fazendo tabelinhas desde o comecinho (super acertadas até agora) e fazendo questão de reunir os amigos brazucas, pra passar pro pequeno um pouco dessa nossa paixão nacional e pra sentir o coração bater mais forte na hora do hino, pular e gritar, me emocionar ao ver o filhote correndo pro abraço na hora do gol, comemorar com ele na repetição e me sentir mais perto do meu querido Brasil…

 

nem que seja por 90 minutos apenas.

 

“… É preciso ter o Futebol no sangue, e a gente, neste momento, não dúvida de que qualquer laboratório detectaria a presença do Futebol no sangue de cada brasileiro, numa mistura balanceada com glóbulos brancos e vermelhos…”.

(Mino Carta editorial da Revista Isto É, n° 212 – jan/81)

Sónar Kids – O retorno

Quando contei para alguns amigos que no fim de semana levaríamos o João para a 2ª edição do Sónar Kids, todos fizeram o mesmo comentário. “Ah, esse ano ele vai curtir ainda mais.”

Eu, mãe de um garotinho de 2 anos já a 6 meses, não criei grandes expectativas, porque sei que nessa idade, até mesmo o programa mais divertido não significa diversão garantida.

A proposta do Sónar é diversão, tanto para os pais quanto para os pequenos. Oferece para os “grandes” bons DJ, e a oportunidade de passar o dia com musica “de adulto” mas acompanhados dos pequenos e exclusivamente para eles, opções variadas de workshops relacionadas a arte, musica, esportes…

O mais legal do sónar, pro João, foi sem duvida a aula de skate, e o mais chato do Sonár foi que o programa mais legal, não durou nem 10 minutos, e como se explica pra um garotinho de 2 anos que pra ele brincar mais, teria que pegar aquela fila imensa e talvez demorar uma hora ou mais, para repetir uns míseros 8 minutos?

É um festival bem bacana, o João se divertiu e a gente… também, já que deu pra tomar algumas cervejinhas e até pra dançar um pouco, num esquema relativamente tranquilo…

Mas dessa vez, senti falta de ter combinado com outros amigos pais, de ter juntado uma turma e assim, (talvez), naquela hora do chillout, o filhote tivesse se entretido brincando com os amiguinhos enquanto nos dava um descanso e nos permitia pedir um mojito e relaxar na grama ao som do DJ bacanérrimo que estava rolando por lá.

Mas… na vida real, bem na hora em que ansiávamos um descanso, o João se entediou e inventou a brincadeira mais chata da história, que consistia em não querer estar com a gente, sair, virar a esquerda, depois a direita, dar meia volta, marcha ré, pegar a contra mão para depois de alguns minutos, lá no meio da muvuca fazer cara de perdido e chamar… mamãe? Maaaamiiiii, Mamãe! E ai da mamãe se não aparecesse em poucos segundos.
Então na sequencia fazia cara de surpresa ao me ver, dava meia volta e começava tuuuuudo de novo.

No final o resultado é cansativo mas positivo, mesmo sabendo que chegar em casa exaustos, com vontade de ligar a televisão e desconectar vendo um jogo qualquer da copa seja missão impossível já que o pequeno ainda elétrico, ligado na pilha duracell tem pique pra mais umas quantas horas de bagunça.

Som culés!*

*O antigo estádio do Futebol Club Barcelona, na calle Industria não tinha grades no exterior e sempre estava cheio de torcedores que se sentavam nos muros. Quem passasse pela rua e olhasse pra cima, tinha a bela visão de um monte de bundas, por isso desde essa época (mais ou menos em 1920) os torcedores do Barça foram carinhosamente apelidados de culés (se pronuncia: culês). Bunda em catalão = cul. (super cool, eh?) E a tradução literal de culers seria algo como bundões.

E o João, o papai e a mamãe como bons culés, fomos comemorar ontem (a mais que merecida) vitória do Barça na Liga Española, em plena Plaça Catalunya.
Claro que não deu pra ficar muito, e nem pra se meter lá no meio da muvuca, mas quando o jogo acabou não resistimos, pegamos as bicicletas e fomos dar um passeio lá no centro, pro João começar a familiarizar-se com a bagunça.

E ele, com o espirito culé do alto dos seus 2 anos e meio, se deixou contagiar com a energia do lugar, e gritava junto com a multidão: Barça, tantantan, Barça!!!

VISCA EL BARÇA!! VISCA EL BARÇA!!

http://www.youtube.com/get_player

Dia de estreia

Passei a semana passada inteira, ocupada com meu próprio umbigo, que não me deu tempo de contar sobre a estreia do João (como espectador, “ainda”) no teatro.
Queríamos fazer algum programa diferente com o petit, depois de ter passado vários dias do feriado sem nenhuma programação especial… o tempo não permitia escolhas ao ar livre, e buscando opções por internet, São Google, me apresentou à web:

Sapos y princesas
que apesar do nome um pouco machista, (né?) e da overdose de propaganda, é bem completa e te dá infinitas opções de lazer para os pequenos de 0 a 12 anos, para todos os gostos e todas as tribos. Alô papis y mamis em território espanhol. (tem alguém aí?) Super recomendo!

Comecei a ler as opções, cinema, circo, musica, dança, teatro… lá pelas tantas me deparei com a seguinte descrição de uma peça:

“… um burro, um cão, uma gata e uma galinha, maltratados pelos seus donos, abandonam-nos e decidem ir para a cidade onde pensam que viverão melhor e principalmente poderão dedicar-se aquilo que mais gostam: Cantar…. “

Foi quando todas aquelas duvidas: será que ele vai gostar? não é muito pequeno? (a idade recomendada é a partir de 3 anos), vai aguentar toda a sessão?… etc, etc, se dissiparam. É claro, que ele ia gostar, ele já tinha visto inúmeras vezes vídeos dos saltimbancos trapalhões no YouTube, e escutado outras muitas vezes a musica da gata e da bicharia… tanto que até já podia cantar junto, (daquele jeito dele repetindo as vogais). É Chico Buarque… (ok, em versão catalana, mas é Chico)

É claro que ele ia gostar!!

E gostou!!
Cantou, riu, acompanhou com palmas e com pés, dançou, aplaudiu, foi eleita (por mim e pelo pai) a criança mais animada da plateia. Se divertiu tanto que acho que nem se deu conta que a versão saltimbantica daqui o cachorro faz bup bup e a gata faz méu, méu.
Confesso que teve momentos que eu ria, por achar estranho toda aquela coisa da musica traduzida….
Mas que foi emocionante, isso foi!

Els músics de Bremen – Conte musical.

Teatre Gaudí
C/Sant Antoni María Claret 120 08025 Barcelona
Información: 93.603.51.61
Metro / Cercanías: Hospital de Sant Pau y Sagrada Familia
Edad recomendada: +3 años
Horario y precio: Abril: D, 12 h y 17 h -Mayo: S 1 a D 30 (D), 12 h y 17 h – 9 €
Web: www.teatregaudibarcelona.com

Miscelânea

:
Hoje é quinta, dia da semana que o João tem natação, já faz 3 semanas que ele começou, (no inicio do mês, coincidindo que em março já faz menos frio, hahahaha) e eu ainda não tinha falado sobre isso, mas tenho que deixar registrado aqui no Astronauta. Porque ele simplesmente ama a piscina, que na primeira semana era “pina”, na segunda “pipina” e agora já virou piscina mesmo, dito assim direitinho. Ele vai com a escolinha e quando eu vou busca-lo, ele desce do ônibus, super animado, e no caminho para casa, vem contando as aventuras da natação, faz demonstrações de como ele nada, movendo os braços, entre outras explicações não entendíveis… é lindo!
:
O Sol que anda aparecendo por aqui, e o Barça que ganhou ontem de 4×0, se classificando para quartos de final na Champions league… é a dupla perfeita para amenizar meu inferno astral e alegrar nossos dias… “Si, si, si Anem cap a Madrid!”
:
Sobre o post, “palavrinhas magicas”, a Rô do Projetinho e a Paloma da Ciça, defenderam o “como faaaala?” e derivados, com argumentos que eu achei super válidos. Pode ser que eles se esqueçam de agradecer, ou ficam com vergonha, e recordar, nesses casos, é importante. Como comentou a mãe do Pitoco, “.. às vezes, com sutileza, sem impor nada. É bom mostrarmos que educação é hábito e repetição, mas sem matar a espontaneidade do gesto, é claro! … “.
Então deixo registrado que concordo com elas… (eu) também acredito que o “como fala” dito sem insistência, sem impor e sem castigos não é obrigar.. Afinal, parece até que tal frase faz parte do DNA das mães e algumas vezes falamos sem nem dar conta. E como a maioria, concorda que espontâneo é mais gostoso, continuo tentando não abusar dos recordatórios, porque acho que é uma boa maneira de dar espaço pro pequeno se expressar.
Obrigada, meninas pelos comentários que acrescentam, por concordar ou discordar, mas sempre com respeito e com argumentos que me fazem pensar.
:
E um conto rápido:
Um homem e seu filho caminhavam pela estrada, levando seu burro. Algumas pessoas que vinham em sentido contrário comentaram:
- Que absurdo. Os dois andando a pé nesse calor e o burro belo e folgado ….
O homem achou que os passantes tinham razão e prontamente colocou seu filho no lombo do burro. Mais adiante outros passantes, vendo a cena, comentaram:
- Que triste. Um jovem com saúde no lombo do burro e o senhor, mais velho, tendo que caminhar debaixo desse sol … já não há respeito !
O homem ponderou que o comentário fazia sentido e trocou de lugar com seu filho, passando para o lombo do burro.
Algumas centenas de metros mais adiante, outro grupo escandalizado comentou:
- Isso que é falta de consideração… um adulto belo e folgado sobre o lombo do burro enquanto a criança é obrigada a caminhar sob o sol escaldante. Que tortura para a pobre criança.
O homem, envergonhado, fez subir também a criança no lombo do burro.
Poucos minutos depois um novo grupo de andarilhos, com um olhar de reprovação disse:
- Agora é assim que se tratam os animais. O pobre burro, fatigado pelo calor, obrigado a carregar duas pessoas no seu lombo. Uma crueldade sem limite com o animal.
Moral da história: não importa o que você faça, sempre haverá alguém para criticar.
Portanto, faça o que achar certo, ou logo logo vai estar carregando o burro nas costas.

enquanto isso em Barcelona

Na semana passada tínhamos resgatado a rede do fundo do armário pra coloca-la na varanda, já que o tempo prometia uma primavera antecipada…
hoje de tarde…

Caga Tió

Diz a lenda que quando nasceu o menino Jesus, havia uns pastores no campo, que estavam tristes, porque não tinham nada para oferecer ao recém nascido. Cheio de tristeza e frustação, um deles começou a golpear um tronco. Então, milagrosamente, deste tronco começaram a surgir presentes, que os pastores prontamente levaram para o menino.


Essa é a origem do Caga tió, uma antiga tradição, típica em Catalunha durante o Natal, um ritual delicioso e divertido, presente na maioria das casas com crianças por aqui.

Mais ou menos 15 dias antes do Natal, cada família “adota” um tronco, e para que esse tronco “cague” muitos presentes, é importante ir dando de comer e beber ao tronco durante a noite, deixando ao seu lado um pouco de comida e bebida.

Pela manhã o que foi deixado a noite desaparece misteriosamente…

Na véspera de Natal, a criança pega um pequeno bastão e golpeia o tronco, cantando a musica do caga tió, que traduzindo ao português seria mais ou menos assim:

“caga tió (tronco em latim) tió de Natal, não cagues arengadas, que são muito salgadas, cague torrones que são bons. Caga tió, amêndoas e torrones, se não caga nada, te dou um golpe com o bastão”.

Ontem foi o caga tió da escolinha… O João ficou super ansioso pra chegar logo a sua vez de bater no “tió” e receber seu presente. La iaia estava lá para ajudar o João a “fer cagar el Tió”.

E a mamãe que estava a cargo de fazer a filmagem na hora H se atrapalhou toda e não filmou o João batendo no tió…. ooooooooo

Mas o resultado da brincadeira foi pura diversão.

Deixo um video resumo do caga tío da escolinha…

Vou tentar fazer uma filmagem e edição melhores pra próxima. tá?
Com vocês o primeiro “caga tió” do João.

Ps.: Depois de ter “sua obra aclamada pelos melhores críticos da blogosfera, ter dividido opiniões na classificação da sua arte (expressionismo, expressionismo abstrato, surrealismo) e ter sido comparado com Miró e Picasso. El tió, colaborou com a família do artista e cagou para ele, lápis e hidrocores e livrinhos para pintar.

Gracies Tió

Agradecimentos, justificativas e “ir de tapas”

Ficou lindo demais da conta, os comentários de aniversário pro João, foi emocionante ler todos os recadinhos amorosos.

Obrigada de coração, vocês são demais!!

***

Daí que hoje é feriado na Espanha, e estou aproveitando o fim de semana prolongado, entre uma brincadeira e outra, para dar uma atualizada na minha leitura bloguística que estava suuuuper atrasada.
Ainda não deu pra visitar todo mundo, mas eu chego lá…

A inspiração anda de férias e eu espero que ela volte logo, porque tenho tanta coisa pendente pra contar…

***

*ir de tapas = expressão usada pelos espanhóis pra definir a ação de sair por aí, de bar em bar, para comer as deliciosas porções ibéricas (hummmmm) e outros petiscos.

Então que aproveitamos a “maioridade dos 2 anos” do pequeno, para “ir de tapas” com ele.
Esse bar não é um autentico “bar de tapas”, mas como ele é o mais lindo de Barcelona, e faz parte da nossa história, de uma forma ou de outra ele tinha que sair aqui no blog.

beijos e volto logo!


Festa das estrelas

Hoje é feriado em Barcelona, é o dia de La Mercè, a padroeira da cidade, e desde ontem até domingo a cidade está em festa e a programação é infinita. Tem um pouco de tudo, para todas os gostos e idades desde e atividades mais tradicionais como os castellers (castelos humanos), correfoc, os gegants e a sardana (baile típico), até shows, workshops, procissões, mostra de vinhos e cava, fogos de artifício, etc etc etc…

Na programação da festa incluía o Festival Ásia, no Parc de la Ciutadella, um dia inteiro de atividades para conhecer um pouco mais as comunidades asiáticas.

(ops… isso tá parecendo mais propaganda de Barcelona que post do Astronauta).
Ok! vamos ao que interessa…

O parque estava cheio de crianças, não deu pra participar nem da metade da metade das atividades, até porque a gente só encontrou a programação do parque minutos antes de ir embora… mas foi uma gostosura, principalmente a parte da gastronomia, hummmmm.

Uma das atividades, era uma pequena representação da tradição japonesa
Tanabata (festa das estrelas). Que consistia em um espaço com grandes ramos de bambu, e segundo a tradição você escreve um desejo em uma tira de papel colorida e pendura nesses bambus. As tiras de papel simbolizam as estrelas e os desejos pedidos na festa da Tanabata, prontamente serão realizados.

Não resisti e tirei algumas fotos dos desejos da molecada.


E era mais ou menos assim: “Ir em bicicleta sem rodinhas pra todos os lados”, “ser cantora como queria o meu avô”, “ter um campo de trevos”, “desejo ter uma bicicleta uma barbie e um wii”, “quero que a natureza nao se acabe nunca”, “não me perder”, “quero ser princesa e bailarina”, “ser a namorada do Alex”, “quero que minha avó viva muitos anos”, “quero ir a escola de elefante”, “quero ter uma carreira de jogador do Barça e ser rico”, “eu queria poder voar”.

 

Claro que o João também participou da brincadeira e pendurou o seu desejo…

Ele não quis contar o que pediu, mas eu tenho uma leve impressão que deve ter alguma coisa a ver com aprender a comer com palitinhos.

A balada do João

Pra quem não conhece, o Sónar é o melhor festival europeu de musica avançada e arte multimídia. Um evento de grandes proporções, com um publico (edição passada 80 mil visitantes) e artistas de todas as partes do mundo. Musica, workshops, shows, exposições, conferencias… e esse ano uma novidade:

o SONAR KIDS.

Um festivalzinho pensado para a criançada, com o objetivo de estimular a criatividade dos pequenos através de atividades relacionadas com arte e musica, (através de um prisma pouco convencional).
A verdade é que duvidamos um pouco se o João ia aproveitar o evento, já que a maioria das atividades eram para os peques de 3 a 7 anos, mas a gente com saudade de curtir uma “balada”, não podíamos perder essa chance e claro. Fomos!

De cara, uma fila enoooooorme para entrar, e uma sensação estranha, como se as peças não se encaixassem muito bem: Sónar + carrinhos de bebê + sol quente + muuuuita gente + o João super excitado querendo ir sozinho descobrir os caminhos + os papais querendo acompanhar a programação, tomar uma cervejinha e cumprimentar os amigos.
Foi no meio desse stress inicial que caiu a ficha, a balada é do João é ele que tem que se divertir, então relaxamos, o colocamos no chão e enquanto ele corria de um lado pra outro, jogava charme, esbanjava simpatia e dançava, a gente ficava na retaguarda a meio metro, desfrutando de vê-lo desfrutar.

Teve DJs, grupo de marionetas “hiphoperas” (Puppetmastaz), espaço para pintar, máquinas de desenho, workshop de construção com mais de 30.000 peças de Lego, impróprio para menores de 5 anos, mas o João conseguiu invadir passando por entre as pernas do monitor, pena que foi resgatado pelo “segurança” e entregue aos pais antes de começar a construir sua obra mestra (lástima!), teve almoço com “croquetas”, salada de macarrão e batata frita, sentados na grama sintética, debaixo da sombra de uma arvore, enquanto rolava showzinho de hip hop no palco principal, teve encontrar com conhecidos que nem sabíamos que já estavam no “club de pais”, teve espetáculo experimental com dispositivos, sonoros, visuais e interativos, daquele estilo assim… bem experimental.

Teve gente de todas as idades, nacionalidades, raças, crenças e cores. Carrinhos de bebês, slings, fulares e cangurus. Pequenos espalhados por todos os lados, dançando, correndo, comendo, dormindo, chorando ou pintando. Recém nascidos com mamadeiras e crescidinhos com a “teta”, mauricinhos e malucos beleza num verdadeiro festival multicultural.

Tudo ao mesmo tempo agora, até que no auge da
excitação e no meio de toda essa confusão ele dormiu.
O sono do justos.
A soneca da tarde de 3 horas e meia nao deixou duvida de que ele aproveitou o dia.
Quando acordou, já em casa, não entendeu o silencio, se levantou e fez o gesto de “cadê?” com as mãozinhas…

- Acabou filho… Mas não se preocupe o verão de Barcelona só está começando.

http://www.youtube.com/get_player

Não se fala de outra coisa…

OFF:::

Depois de dois anos sem ganhar nenhum título, o Futebol Club Barcelona (o Barça) esse ano ganhou três.

Cooooooopa, Lliga i Champions!

E como vocês podem imaginar, num país (Catalunya) que adora o futbol, quase tanto como os brasileiros, a euforia é imensa e a alegria da conquista contagia a todos.

Hoje é dia de festa!

E eu que adoro futbol e sou super torcedora do Barça, não posso deixar passar em branco essa data histórica pro futebol catalão.

VISCA EL BARÇA!!!!

VISCA EL BARÇA!!!!

Atendendo a pedidos do SP:
Fotos para a posteridade…


Se for assim, tá bom!!

Post escrito pela Patrícia Boudakian do blog: Se for assim, tá bom!, a ilustríssima visitante 15.000.
:::
“Então que fui a sortuda visitante 15 mil e o destino me escolheu para escrever um post especial para este blog lindo e encantador. Sinto-me especial por tal tarefa. Bueno, muy bien!
Comecei com o blog para buscar algo além da mesmice de Msn e Orkut. Sempre senti a necessidade de conhecer ainda mais este mundo virtual em que vivemos imersas.
E foi aí que topei com o mundinho dos blogs. Fui me envolvendo, até que descobri o astronauta. Um blog delicioso e que, apesar de falar sobre relatos de uma mamãe muito querida – e apesar tb de eu ainda não ser mãe -, me consquistou. Como todos os outros, de tantas outras mamys. Só que este, teve algo mais especial! A Espanha!
Depois que descobri que a Flavia morava em Barcelona, foi mais envolvente ainda. Assumo que sempre busquei nestes blogs, algo que pudesse me levar de volta ao lugar que vivi por 3 anos. Barcelona. Falo dela com lágrimas nos olhos. E achei pertinente postar algo relacionado a este sentimento. Minha saudade de lá. E minha vinda sempre até o astronauta, em busca de leituras que me aproximem um pokito mais da tão saudosa cidade.
Da minha saudade de andar pelas ramblas correndo (sempre atrasada pro trabalho) e mesmo às pressas ver as estátuas vivas, o Che Guevara e alguns outros personagens que ficam por lá ganhando a vida, graças a boa vontade dos (milhões) de gringos que passam por ali.
Da minha tranquilidade em sair do trabalho às 3 da matina e ir caminhando até em casa, sem nenhuma preocupação.
De caminhar pelo Raval e sentir uma cidade cosmopolita, moderna e ao mesmo tempo, muito antiga. Paradoxal!
Das músicas em cada canto da cidade, tornando-se trilha sonora das pessoas que caminham pelas estreitas ruas do centro.
Das curvas do incrível bairro gótico com seus guardiões em forma de estátua. Das pessoas coloridas caminhando pelas ruas sem se preocupar com nada. Da Barceloneta, que não é a praia mais linda do mundo, mas já saciava a minha vontade de mar. Dos milhares de grafites e posters colados nas paredes, muros e tapumes. Do porto olímpico, com seu glamour todo especial. Do ano-novo na Praça Real e dos italianos jogando garrafas para trás, entorpecidos por mais uma virada de ano. Do metrô e sua facilidade invejosa, tem um em cada esquina. De ouvir os catalanes dizendo “es cla, es cla” e achar lindo. De poder levar os cachorros de trem para passear. Dos prédios do Gaudi derretendo pela cidade. De respirar cultura, arte e afins. Da polícia sempre muito educada e pronta pra servir a população (afinal, isso é normal). De comer churros pela madrugada a fora, e comprar os presentinhos do Dia dos Reis. De ir andando do Raval até a Barceloneta e me estender na areia só com a parte de baixo do biquini (e isso ser normal!). De conhecer pessoas de cada canto no mundo… De algo que vivi e está tão fresco na minha memória, que algumas vezes acordo sem saber bem onde estou!
E tudo isso pra dizer que sinto saudade. E que o blog da Fla ajuda a supera-la. há
Mesmo sem ser mãe, adoro cada relato aqui escrito e adoro ainda mais, quando acesso esta página e sinto até o cheiro que acompanha esta nostalgia toda…
“O astronauta ao menos
Viu que a Terra é toda azul
Isso é bom saber
Porque é bom morar no azul”

Uma música pra todas… que também sentem saudades!

:::

O blog da Patrícia é maneiríssimo. Passem lá!

Sant Jordi

Hoje é o dia de Sant Jordi, (São Jorge) que é o santo padroeiro da Catalunya.

É um dos dias mais importantes na cultura catalana, é o dia do livro e da rosa, uma espécie de dia dos namorados e também um bem-vindo a Primavera.

Hoje é comum ver bandeiras da Catalunya espalhadas pela cidade e rosas muitas rosas por todos os lados.

A Bel explica melhor aqui.

E a Maricota, que eu tive o prazer de conhecer hoje, também fez um post a respeito.

“Feliç Sant Jordi!”