Futebol

Adoro futebol!

E tive a sorte de nascer num país que de 4 em 4 anos, vive a copa do mundo da forma mais intensa e emocionante jamais vivida, é a pátria que calça chuteiras do Nelson Rodrigues, que se pinta de verde-amarelo e que pára inteira para ver a seleção entrar no campo.

Tenho inúmeras lembranças relacionadas a Copa.

Me lembro claramente do primeiro ano que aprendi a ver futebol, em 86, das vitórias, da festa, da minha rua na Pompéia, toda pintada de ” É TETRA BRASIL”, da energia incrível de gritar gol e sentir todo um país gritando junto… lembro da ansiedade pré jogo… do pênalti perdido pelo Zico, o “galinho” que segundo meu pai era o melhor jogador do mundo, da decisão por pênaltis contra a França… do silêncio no final… das cara tristes dos jogadores e torcedores e de chorar junto com eles a tristeza de “voltar pra casa”.
 

O futebol faz parte da nossa cultura, faz parte da minha brasilidade e das lembranças da minha infância. E o futebol do Brasil, é arte, é jogo bonito, é emoção, é o povo feliz, é um campinho improvisado em cada canto, é paixão desde pequenininho é festa e alegria.
 

Moreré/Bahia

De 86 pra cá já foram 5 copas, algumas com mais emoção e outras com menos, mas com aquela euforia louca de ser favorito, sempre! Mesmo com todos criticando o técnico, mesmo que o time não esteja nem tão bom esse ano…

Mas é o Brasil, e a esperança de sentir a emoção de ser campeão de novo.

Me lembro de viver o tetra, no interior da Bahia, com direito a comemorar com trio elétrico na mais intensa explosão de alegria.

E de viver o penta, em Barcelona, no ano que cheguei aqui, e comemorar com milhares de brasileiros e simpatizantes, que tingiam as ramblas de verde-amarelo e entre samba, timbaus e fogos gritávamos “a rambla é nossa, ha ha hu hu…”.
***Os catalães apesar de serem apaixonados por futebol, não vibram tanto com a copa do mundo, um pouco porque a seleção espanhola, nunca chegou muito perto de ser campeã, nunca sentiu esse gostinho… 😉 Mas o motivo principal é que os catalães não se sentem espanhois por consequência da história e da repressão cultural que sofreu durante anos…

Camp Nou-Barcelona Foto: Vitão


 
Na verdade, eu acredito que a maioria deles, (os catalães), principalmente esse ano que o time da Espanha está formado por muitos jogadores do Barça, não seja tão indiferente quanto aparenta ser. Sinto que está rolando uma torcida silenciosa, que não é capaz de vestir a camisa e torcer apaixonadamente porque pra isso, é preciso identificação e pertencimento… Mas já começo a ouvir alguns sussuros esperançosos de uma possível final com a seleção “canarinha”.

 

Oxalá! Tô torcendo por isso!

 

Adoraria!

 

E se por um lado é legal sair na rua, e viver a copa do mundo numa cidade cosmopolita, com turistas e imigrantes de todas as nações (e times, e bandeiras e camisas…), por outro lado, sinto falta da unanimidade das nossas cores e do eco dos gritos de gol fazendo uma ola na rua.
Mas, mesmo assim, a milhas e milhas distante do próprio país, a gente faz a nossa festa, se veste de verde-amarelo e nos juntamos pra ver o jogo.
Nessa copa, a primeira do João, estou mais animada que nunca, fazendo tabelinhas desde o comecinho (super acertadas até agora) e fazendo questão de reunir os amigos brazucas, pra passar pro pequeno um pouco dessa nossa paixão nacional e pra sentir o coração bater mais forte na hora do hino, pular e gritar, me emocionar ao ver o filhote correndo pro abraço na hora do gol, comemorar com ele na repetição e me sentir mais perto do meu querido Brasil…

 

nem que seja por 90 minutos apenas.

 

“… É preciso ter o Futebol no sangue, e a gente, neste momento, não dúvida de que qualquer laboratório detectaria a presença do Futebol no sangue de cada brasileiro, numa mistura balanceada com glóbulos brancos e vermelhos…”.

(Mino Carta editorial da Revista Isto É, n° 212 – jan/81)

15 Comments

  1. Lindo texto, Flá, e a foto de Moreré me emocionou, adoro este lugar! Isso sem falar no catalão-brasileirinho mais fofo que há.
    Beijos

  2. lindo, adorei!
    tb estive pensando nisso nessa copa, como será que meu argentininho vai curtir a coisa toda, eu vou fazer de tudo pra ele sentir um pouquinho do clima (quem sabe não o levo pra assistir a próxima copa no brasil? acho que vai ser o máááximo!)

    beijos!

  3. Lindo texto, lidas fotos!
    Bjs.

  4. Adorei o post!!
    E o astronauta tá lindo!!
    bjus

  5. 86 tb é a minha primeira memória de Copa! E esse ano, estou curtindo mais do que todos os outros, porque é uma delícia ver o pequeno gritando GOOOOL DO BASIL NA TÖPA!!!rs!
    Lindo demais esse astronauta de uniforme! Lindooooo!
    beijos

  6. Minha primeira lembrança verdadeira também é da copa de 86 (a de 82 tenho uns flashs de memória apenas). E realmente aqui é apaixonante. No primeiro jogo desta copa, saindo do trabalho no centro de Campinas antes do jogo, era emocionante o clima de todos pela rua. Mas estranhei que ontem o clima já não era tão empolgante. As camisas, bandeiras e buzinas eram bem menos que naquele primeiro jogo no mesmo horário. Por que será?
    E com certeza a primeira copa com nossos filhotes é especial, né?
    Beijos futebolísticos!

  7. Deve ser emocionante escutar nosso hino estando longe de casa…
    😉
    A foto está lindaaaaa!!!
    Bjs,boa semana e um otimo jogo p gente na sexta,hehe!!

  8. Estou meio sentimental demais hoje e chorei com tudo…
    com a sua saudade das copas de longe, com a saudade que estou dos dias mágicos em barcelona, com a coisa toda da copa, com o plantãozão que eu vou fazer na sexta-feira, com as fotos e o texto lindos…
    ai ai, que mama besta…kkkkk
    adorei viu?
    mas que cara de sapeca tem este astronauta!!!!
    bjo bjo bjo
    carol
    http://viajandonamaternidade.blogspot.com

  9. Fla, que texto lindo. Me fez lembrar do tempo que eu tinha toda esta euforia com a copa e com a seleção.
    Meu marido ama futebol e é sãopaulino roxo, porém desde que ele se conhece por gente, ele fala que gostaria de ter nascido americano e tem um certo pavor da seleção brasileira. Ele disse até que pra ele, ver jogo da seleção é igual ver jogo do corinthians. Imagina né?
    Eu até que gostava de torcer e de vibrar, mas hoje em dia, sinceramente, não ligo muito mais.
    E se depender dele, o Gustavo vai amar basquete e não futebol.
    Bjocas

  10. Preciso falar que me emocionei? Não, né? Chorei! rs
    Lindo o texto. Super me identifiquei nele. No seu amor pelo futebol, nas copas e no desejo de aflorar no pequeno a paixão pelo futebol que nós temos. Eu fico pensando nisso tbm, maridão não é lá muito chegada em futebol, daí teria que investir no pequeno eu mesma. Pra ele curtir como meu pai me ensinou. Nós somos mulheres que gostamos de futebol além da copa né? Adorei o post!
    Super beijo e vamô que vamô que tá perto do nosso desejo se realizar heim? Brasil e Espanha em uma final cheia de alegria, será?

    beijos!

  11. ah, tive que parar aqui correndo pra dizer: LINDO texto, querida!
    e mais lindo ainda é esse astronauta de camisa 10…
    muitos beijos, guapa.

  12. Copa é legal, né? Eu também gosto, mas apesar desta copa estar sendo especial para mim por ser a primeira da minha filhota, tb tem sido a mesnos envolvente, pois estou com mudança marcada e mal consigo sentar para assistir aos jogos…

    João tá lindo!

    Beijos!
    Nine

  13. Jussara

    Eu não sou uma grande fã de futebol, apesar de adorar esportes, é o que eu menos gosto (dos que incluem bola), mas adoro Copa do Mundo, gosto até de assistir aos programas que sempre rolam depois, geralmente tarde da noite :/.
    Fico vendo sua animação pelo twitter, acho um barato :). Este ano não me animei muito, e nem as pessoas têm botado muita fé na seleção; mas vamos torcendo como dá. Dos blogs que leio de brasileiros que moram fora, percebi que os outros países parecem não ligar muito para a Copa mesmo não. Acho que é só aqui esse clima de “corrente pra frente”, esse sentimento de pertencimento e coletividade que vc citou. Bem ou mal o futebol ajudou a construir nossa identidade cultural. Lembro que quando fiz uma viagem frustrada à frança, via muita gente com a camisa da nossa seleção, geralmente com o número dez, e aquilo me deixava feliz em meio ao turbilhão de azar que eu estava vivendo num país estranho; a tal identificação.
    Minha 1ª lembrança de Copa tb é de 86, mas não assisti aos jogos (semana passada ainda estava comentando isso por e-mail com uma colega; perguntando se ela tb lembrava); só lembro das vinhetas do Arakem e da música-tema (“Mexe, mexe, mexe coração”…). Passei a assistir e acompanhar a partir de 90.

    Lindo e emocionante seu texto, e o João cada vez mais bonito e grandão .

    P.S.: estava lendo o blog pelo reader, mas agora só aparece o título do post, o corpo do texto sumiu e tenho que entrar aqui para ler. Teria como vc reconfigurar pra que seja possível ler pelo reader novamente, please? Obrigadinha! (em homenagem aos portugueses que perderam ontem :D).
    Desculpe o comentário gigante.

  14. Amei Fla! Esse ano em 86 e varios outros anos, sinto muita saudade de vc. Mesmo que fiquei longe, mas meu coração esta perto de vc!
    Bjs

  15. Ei Flá! Me identifiquei totalmente com suas palavras (vc sabe!). Tambem sinto falta dessa unanimidade de cores e gritos pelas ruas. Aqui em Vancouver tem uma avenida muito popular entre os imigrantes, principalmente italianos, brasileiros e espanhois. Entao nessa copa estão fazendo história por la. Até saiu no jornal daqui outro dia, comentando que nunca se viu tanto entusiasmo como os dos brasileiros no dia do jogo contra o Chile, nem mesmo nos jogos de Hockey (esporte nacional no Canada).

    Eu me encho de orgulho com essas coisas… 🙂

    Beijos!!!

    PS: ler essas coisas me da tanta saudade da terrinha!!!!

    PS2: as fotos estao lindas! E a carinha do Joao esta impagavel!

Leave a Comment