joao01

O NASCIMENTO DO JOÃO

Quando fiquei grávida, não tinha a mais remota idéia de como seria ser mãe, muito menos que haviam coisas sobre o parto que tínhamos que decidir ANTES de ir a maternidade, ficava horas na internet e demorei um tempo pra entender que o significavam palavras como epsiotomia, ocitocina, colostro, indução de parto, etc…

Então decidimos fazer um curso de preparação ao parto e por “sorte” encontramos um curso que apoiava o parto natural, aprendi muita coisa e a cada “classe” nos convencíamos da importância de um parto humanizado.

Eu já tinha entrado na semana 36 quando finalmente nos decidimos pelo parto domiciliar, quase já era tarde, mas por “sorte” a semana prevista para o parto era a unica que estava livre e como já conhecíamos as parteiras elas aceitaram fazer o parto do João.

Foi uma correria porque o pequeno podia chegar a qualquer momento e nessa semana fizemos varias consultas com as parteiras para passar exames, ultra-som, tivemos várias entrevistas para contar um pouco como somos e definimos detalhes importantes como por exemplo: Se acontece alguma coisa fora do previsto a que hospital ir, quem dirige, etc… Depois dos esclarecimentos, começamos com a lista dos preparativos para o grande dia…

Moro em Barcelona, e minha mãe veio ficar comigo no ultimo mês da gravidez, a casa que morávamos só tinha um quarto e decidimos mudar para outra casa (a 60 km de Barcelona) o tempo que minha mãe ficasse com a gente. Por opção pesssoal, eu preferia que no dia do parto não tivesse muitas pessoas em casa, só meu marido e as parteiras e com duas casas era mais fácil.
Agora sim… já tinha entrado na semana 39 e tínhamos tudo preparado.

Semana 39 e 5 dias:Na sexta feira (30.11) dormimos em Barcelona porque tínhamos uma reunião com as mamás do mês e as futuras mamás, foi muito emocionante e me sentia muito tranqüila.

No sábado voltamos pra outra casa, a tardezinha me sentia cansada (pensava que era por tantas idas e vindas a Barcelona), e as 21:00 enviei uma mensagem para as parteiras explicando como tinha passado o dia, (algumas contrações sem dor e irregulares e que amanhã eu dava mais noticias) e fui pra cama. Acho que dormi um pouco e acordei com uma contração diferente, parecia de cólica menstrual, e a diferença entre essa e as contrações que tinha sentido durante essa ultima semana era muito sutil… mas eu sabia que essas eram de verdade.

Disse ao marido que estava jogando buraco com a minha mãe, que era melhor ir a Barcelona e dormir ali porque parecia que estava “começando”…


ele responde: – Ok. Mas posso terminar essa partida que estou ganhando?
Risos.

E comecei a me arrumar para sair enquanto ele terminava a partida, minha mãe deixou ele ganhar para acabar mais rápido e fomos pra nossa casinha.

No caminho enviamos outra mensagem as parteiras e avisamos que estávamos indo a Barcelona porque as contrações eram diferentes. 
Resposta: ok. Tentar dormir e descansar, água quentinha, estar cômoda e ânimos.
No carro as contrações começaram a ser regulares, vinham cada 7 minutos e cada vez duravam mais…
Chegamos em casa as 00:30 (do dia 02.12 – data da DPP) me sentia muito cansada e fomos pra cama tentar dormir… tínhamos muito sono e por incrível que pareça dormíamos entre uma contração e outra.


A única maneira para aliviar a dor era ficar de quatro com a cabeça baixa e meu marido me fazia uma massagem na região lombar… uf.. era um alivio, então ficamos assim até as 04:00 (+ ou -) quando tive que me levantar para vomitar, fiquei um bom tempo no banheiro, botei tudo pra fora… e maridão aflito e preocupado ligou pras parteiras para informar de que como estava a situação e se era normal os vômitos.. Elas que estavam em outro parto (já no final) falaram pra que eu tomasse um banho quentinho que uma delas já viria pra casa.


Entrei no banho e passei duas contrações de pé que doíam muito, quando saí do banheiro a parteira (Maria) já tinha chegado. Me examina um pouco, escuta o coraçãozinho do bebe, (tudo bem!), e me faz um toque: 3 – 4 cms…


Oh.. não… Não podia acreditar, pensava que já estava muito mais avançada… e foi como um balde de agua fria.
Ela foi descansar no sofá e ficamos no quarto deitados, dormimos um pouquinho, acordava com a contração, massagem do marido e voltar a dormir…
Nesse momento pensei como seria parir em um hospital, me sentia bem em casa, já tinha apagado todas as velas, porque me incomodava muito a luz (imagine uns focos??) já quase nem respondia quando marido falava (imagine ter que agüentar médicos, residentes e enfermeras??) definitivamente a chegada do João não podia ser diferente…
As 8:00 as contrações já eram regulares e muito doloridas, já não podia estar deitada, e me levanto, dou umas voltas na casa, marido saí pra comprar café da manhã, a parteira me faz massagem quando vem as contrações, provo ficar de cócoras, provo ficar de pé apoiando a cabeça na mesa, provo andar um pouco…

Maria quer ver como está o bebê então volto pra cama, escuta o coração dele e me fala: Tá tudo bem!  Ele esta feliz!  aproveitamos pra ver a dilatação e já estava de 7-8 cm… e ela super doce, dizia, muito bem Flavia, você esta fazendo muito bem… e isso me anima…

Mais ou menos as 9:30 – uma contração mais forte e estoura a bolsa, e a partir daí tudo foi muito intenso… as contrações doíam muito, Maria pergunta se eu quero que preparem a piscina (piscininha de parto inflável) para terminar de dilatar… e eu digo que sim, sem saber muito bem o que eu dizia, o único que queria é que me deixassem tranqüila… sinto muita dor e de repente… quase não sinto dor… entro em uma espécie de transe e me deixo levar…


As parteiras falam que existe o “planeta parto” e eu acho que estou ali, vou pro banheiro e me sento, agarro uma toalha que estava pendurada e começo a fazer força, já não penso na dor, só sinto que o pequeno astronauta já esta chegando…


Grito, emito ruídos, sinto como se meu corpo soubesse exatamente o que fazer…

Maria entra no banheiro com um espelhinho, me examina e fala pra irmos pro quarto porque se não João nasceria alí mesmo, fala pro marido ligar pra outra parteira que venha rápido.

E vamos pro quarto, colocamos um colchaozinho no chão e fico de quatro com a cabeça apoiada no colo do marido, que segurava minha mão com força…


Meu corpo pede pra fazer força e gritando encontro forças que nunca imaginei que tinha…
saí a cabeça, 
(Maria comentou depois que o pequeno tinha a mão na cabeça o que dificultou um pouco, primeiro saiu o braço estilo super man e depois a cabeça).
 Maria controlava, agora faz força, agora sopra, agora…. e escutamos o choro…

O JOAO JÁ ESTA AQUI…
Ela me passa o bebe, ao contrario do que eu pensava, não quero saber se tem todos os dedos, se é bonito, se é gordo, se tá sujo… não faço nem um tipo de chequeio, só seguro ele nos braços, o papai do lado se emociona e nos abraçamos…

O João nasceu na nossa casa no dia 02.12.2007 as 10:27 hs.

sem anestesia,
nem episiotomia,
nem fórceps e ventosas,
sem pontos e nenhuma intervenção desnecessária.

Com 3.827 kg e 52 cm
APGAR 9-10-10

31 Comments

  1. taty

    Amiga Vc realmente é uma mãe nata!parabéns, que essa sua familia seja sempre unida, cercada de felicidade e muuita saúde!!!!!!!!!!!!!bj

  2. Flá, Me emocionei com o relato do nascimento do João, vc foi uma guerreira mesmo. Eu não tive essa coragem toda. rsrsAdorei !!!Beijos,Zaninha

  3. Que linda sua historia, emocionante…Parabens mamae.Um bjinho no Joao

  4. Anonymous

    QUERIDA,QUE LINDA HISTORIA, E VER AGORA O JOAO GRANDAO, COMO EU SEMPRE CHAMO.COMO FOI A CHEGADA NO BRASIL?GRANDE BEIJO.ALEXS

  5. Flavia, ja te linkei em meu blog de relatos, ok?Obrigada pela visita!Parabens pelo teu parto, que foi muito lindo e o relato inspirador!beijo

  6. Nossa que lindo!!!!!Se algum dia eu pensar na possibilidade de ter outro bebe acho que gostaria de ter em casa.Parabens pela sua força e coragem!!!!

  7. que coisa mais fofa, linda, dolorida e animadora a história do seu parto!
    mulher de fibra, com certeza!!

  8. Cris

    Nossa, que relato mais lindo!
    Inspirador, total!
    Parabéns!
    Beijos

  9. mulher… achei que já tinha lido seu relato, mas acho que não… acho que li um outro post do início, não sei… e me emocionei tanto!!! me animei mais para finalizar o meu relato! e te admirei ainda mais, e fiquei ainda com mais vontade de te conhecer pessoalmente.
    É bom conhecer pessoas – mesmo que virtualmente – com as quais nossas escolhas batem, e tenho poucas amigas reais aqui com as quais essa identidade em relação ao parto existe.
    grande beijo, e que venha o segundo!! rsrsrs (o da lilata já tá encomendado!! rsrs)
    tha

  10. Flavia, querida, tomo a liberdade de lhe chamar de querida pois foi assim que me senti em relação a você ao ler suas postagens. Você escreve lindamente e o relato do parto do João me fez chorar de emoção… ainda mais grávida, imagina quanta emoção! :-) Apesar de ter sido cesárea o parto da Nandinha e o próximo também eu revivi o dia mais lindo da minha vida com o seu texto. Parabéns pra você, pra família toda e um carinho enorme no João astronauta.

  11. Flavia!! Estava eu fuçando no seu blog e me deparei com esse relato de parto lindo! Eu admiro e respeito muito a decisao de quem opta por ter os seus bebes em casa e tudo o que eu leio e vejo sobre o assunto, o ponto comum é o mesmo: o aconchego do lar. A casa se ilumina com a chegada do bebe e o clima é de uma paz. Eu sou daquelas que prefiro estar na maternidade e graças a Deus, tive um parto como eu desejava e a enfremeira-obstetra era muito boa. Mas quando eu leio depoimentos como o seu eu penso “putz, sera que eu nao daria conta de ter o bebe em casa?” Vamos ver… Grande beijo e parabens pelo aniversario do blog do Astronauta! Ah, e melhoras para o pecorrucho!

  12. Eu nao sabia porque tinha me apaixonado por aqueles pés no teu perfil… agora sei!

  13. Muito bonito o relato do nascimento do Astronauta, diretamente do Planeta Parto!

    Parabens!

    Lu

  14. ola Flavia
    Estou a dias “tentando” ler seu relato e sempre algo acontece e tenho que parar! rss
    Hoje enfim consegui!
    Até entao nunca havia pensado em ter um dos meus filhos em casa, mas na verdade deve ser aonde mais nos sentimos bem!
    Completo 34 semanas no sabado, e vou tentar me informar essa semana se por aqui existe essa possibilidade…
    Enzo tb foi natural, minha bolsa rompeu as 23hs do dia 8/11/2007, as 00,10hs do dia 09 demos entrada no hospital, as fortes contraoçoes começaram as 4hs e as 9,45hs meu boneco nasceu… com os olhinhos fechados e bem quietinho, rss… nao quis chorar! rsss…
    Nada de anestisia, nem episiotomia, e o resultado vc sabe, recuperaçao imediata!
    Ah, ele estava previsto para dia 01/12, 1 dia de diferença do Joao!
    PARABÉNS pelo seu parto, pela opçao e pelo lindo relato!
    Fora que vc ainda anima outras mamys tb!
    Vamos ver se consigo algo, depois te conto!
    Beijocas para vcs

  15. Fantastico !?!?!?!?
    Seu relato é maravilhoso ?!!?!
    eu fiz parto normal tb, mas tomei anestesia depois dos 10 dedos de dilataçõa.
    De qualquer maneira é muita emoção…

    grande beijo

  16. Nossa, estou de 38 semanas (entro hoje) e me emocionei tanto com teu relato. Eu vou fazer o parto natural, mas lá na clínica Sagrada Família. Espero ter a mesma sorte que vc, e que possa fazer tudo sem epidural!

    Muita felicidade pra família…

    Vanessa

  17. Lindo e emocionante!
    Parabéns! Pela coragem e pelo amor!

    Alessandra

  18. parabéns, você é uma mãe supercorajosa, Deus está contigo.

  19. Ai guria, já li o seu relato de parto inúmeras vezes! Sempre me emociono! Deixo neste comentário o meu carinho por vcs! Beijos!

  20. Muito emocionante seu relato!
    Fiquei com os olhos marejados e com uma vontade danada de ter o proximo filho assim.
    Parabéns!
    Bjs

  21. Anonymous

    Flavia!!!
    Linda sua historia. Da pra imaginar bem a situaçao maravilhosa que tu viveu. Eu moro em barcelona, sou casada com um catalão e estamos querendo ser papais. Quando isso acontecer vou te pedir dicas sobre o parto em casa.
    Só de ler me arrepiei, imagina poder viver!!!
    abraços,
    Carol

  22. Que relato lindo. Ainda não tinha conhecido a história da chegada do João. Emocionante.
    Lutei para ter a Yasmin da forma mais natural possível, negociei cada detalhe com o obstetra que não fazia parte da turma do parto humanizado, mas foi super humano e flexivel comigo.
    Mas você foi super corajosa optando pelo parto domiciliar, não sei se teria coragem.
    E graças a essa atitude o João chegou ao mundo em um clima de tranquilidade e aconchego.

  23. Ainda não tinha lido esse blog e quando vi que fez um parto domiciliar que é meu sonho ja fui logo lendo o seu relato e que lindooo, foi demais que bom poder parir do seu jeito… muita saude para vcs

  24. Lindo Flavia! Me emocionei do começo ao fim. Maravilhoso relato! Beijos

  25. Flávia,

    Muito lindo seu relato. Me lembrei muito do nascimento do meu Davi, que nasceu de uma cesariana. Estava com 34 semanas de gestação e a bolsa estourou. Ele estava encaixado de cara e não de cabeça (cabeça defletida) e ainda tinha a mão na testa, como o João. O médico acabou optando pela cesária, mas sempre senti que o parto poderia ter sido normal. Ao ler seu relato, vi o que poderia ter sido e me emocionei de verdade. Ainda me sinto um pouco culpada por não ter brigado pelo meu parto. Tive medo. Um dia ainda sento e escrevo o meu relato, mas ainda me dói um pouquinho lembrar de tudo.

    bju

  26. Oi Flávia,
    estou lendo uns textos antigos e não posso deixar de comentar esse momento tão lindo… estou emocionada e com a convicção que se um dia – por alguma reviravolta do destino – tiver outro parto, será em casa, nem que tenha que me virar em outra mulher para conseguir… é muita beleza!
    beijoca

  27. Flávia, estou citando o seu relato lá no Dadadá. Faz uma visitinha!

  28. Tenho um afilhado chamado João que veio do mesmo Planeta Parto. Chegou naturalmente e fez da minha amiga de infância, a Paulinha, uma das mães mais amorosas que conheço. Ao amor infinito e além! Voltarei para novas visitas…

Trackbacks for this post

  1. Relato de Parto do João – a aventura de nós dois | Dadadá
  2. Relato de Parto do João - a aventura de nós dois | Dadadá é blablablá de mãe pra mãe

Leave a Comment