All posts in Alimentação

Blogagem coletiva – Alimentação Infantil na Espanha

Aqui na Espanha, a alimentação infantil é bem parecida com o Brasil, (ou talvez seja essa minha percepção depois de quase 10 anos morando fora).

No final depende do pediatra (e da mãe se segue a risca ou não o que o pediatra indica, sem uma segunda opinião).

A introdução de sólidos pode ser a partir dos 4 aos 6 meses, começar com papinhas salgadas ou doces, com potinhos ou comida caseira, e “regrinhas” como quando introduzir carne branca e vermelha, derivados de leite, marisco,  e alguns tipos de frutas varia muito de um pediatra uma família a outra.

Com o João iniciamos a alimentação complementaria no 6º mês, (no nosso caso a complementaria era a solida, já que ele se alimentava mesmo era de leite materno, até mais ou menos 7, 8 meses, quando a complementaria passou a ser o peito) foi um processo extremamente gradual e de aprendizado para as duas partes. Começamos com as frutas, depois papinhas de verduras e cereais. As carnes, foram introduzidas no finalzinho, lá pelo 8º mês.

Uma diferença na alimentação é que no Brasil geralmente servimos um prato com as variedades, e aqui se come um primeiro prato, segundo e sobremesa. E os legumes secos (feijão, lentilhas) não são consumidos com tanta frequência.

Desde que o pequeno começou o período pré escolar, ele almoça na escola, vou colocar um exemplo de menu de uma semana e vocês me falam se tem muita diferença ou não.

Dilluns: 
1º salada de macarrão –  2º file de merluza com salada – Iogurte

Dimarts: 
1º Caldo de frango com letrinhas –  2º lombo na chapa com salada – Abacaxi

Dimecres:
1º Verdura ao vapor –  2º carne de panela com salada – Morangos

Dijous:
1º Salada de feijão branco, com bacalhau –   2º Ovo ao forno (?) com molho de tomate – Pera

Divendres:
1º Arroz 3 delicias – 2º Frango ao forno com salada e cenoura ralada – Pêssego

E durante todo o mês, cada dia é diferente, sempre mantendo um equilíbrio semanal de verduras, frutas e carne/frango/peixe.

Mas li por aí que tem países com costumes bem diferentes, pra saber mais : Mães Internacionais

:::

Aproveito que estamos falando de mães internacionais e deixo um recadinho da nossa querida internacionalissima Roberta do Piscar de Olhos, que tá chique de dominio próprio e blog novo, Atualizem seus feeds, o piscar agora é . net www.piscardeolhos.net . E passa lá, que tem post novo.

Comendo tudo…

Depois de alguns dias imensamente feliz de ver o pequeno comer bem e mostrar o prato vazio, com um sorriso de orelha a orelha, falando eufórico que comeu tudo…
comecei a desconfiar… aquela velha história: “quando a esmola é demais o santo desconfia…”
Já tinha percebido que ultimamente o João e a Preta estavam num grude só… que a Preta tinha estabelecido um lugarzinho estratégico debaixo da mesa na hora da comida do pequeno…
Mas só caiu a ficha hoje, depois de flagrar o João que discretamente “deixava cair no chão” o que sobrava da comida enquanto a cachorra discretamente e quase sem fazer barulho comia os grãos de arroz que o filhote generosamente compartilhava com ela.

ai… alegria de mãe dura pouco mesmo!

Prato do dia

Quando fiz o post “peixinho”, a idéia era ir postando receitinhas e dicas para a alimentação dos pequenos… Ou seria sugerir que vocês deixassem receitinhas e dicas??
Enfim… a idéia é insistir no tema, trocar experiências e reunir dicas, falar bastante no assunto, acreditar no conceito quantidade não é = qualidade, e quem sabe um dia conseguir um nível Zen necessário para ver o filhote almoçar e jantar duas colheres e meia de vento, sem me estressar.

E no meio dessa nova filosofia, não é que de repente ele começou a comer bem.
Bem só não, MUITO bem. Tipo: dois pratos no almoço, um tentempié antes do lanchinho da tarde, e na janta outro prato cheio… uma beleza.
Eu, que não acredito em santos, já estava até buscando no google, pra saber qual é o santo padroeiro das crianças que comem tudo, para acender uma dúzia de velas. E sem conter meu contentamento, não parava de falar… Nossa, o João comeu tudo… Benza Deus, até o brócolis… Papai, olha só raspou o prato… e assim sem parar durante uma semana.
Aí gente. Ele cansou, né? Quem não se cansaria? Ele viu que quando comia bem, a mãe dele ficava muito chata, monotemática e repetitiva, e decidiu outra vez, não comer.

Então mamães, a primeira dica é:
Se teu filho que não come nada, de repente começa a comer tudo, finja naturalidade, aproveita para experimentar novos sabores e principalmente desfruta, porque normalmente não dura muito.

Dito isso, eu queria esclarecer umas coisinhas do post da receita do peixinho.
Não sou chef (né super papa?) não cozinho receitinhas novas e semi-elaboradas todos os dias e aqui em casa o básicão rola solto. Sorry! Sinto decepcionar…
Mas o que sim é verdade é toda a parte de procurar que a comidinha, seja saudável e com nutrientes variados, tento sempre comprar frutas e verduras em um lugar que me inspira confiança, e uso alguns truquinhos para enriquecer o prato do dia.

Daí veio a idéia da segunda receitinha.

Caldo de frango caseiro

Antes de ser mãe, eu torcia o nariz cada vez que o maridão fazia caldo, agora sou eu que não deixo faltar na geladeira.
O caldo feito em casa, com ingredientes frescos fornecem vários e excelentes nutrientes, entre eles vitaminas, minerais e proteínas. Além do mais pode ser um coringa na hora de enriquecer o basicão de cada dia, podendo ser usado para cozinhar verduras e fazer um purê, pra dar um gostinho especial no arroz ou para preparar a polenta (ou angu). E pra vocês que estão no hemisfério sul, caldo de frango caseiro + franguinho desfiado + rodelinhas de cenoura + arroz e temperinhos = a uma deliciosa canja, ideal para as noites de inverno e super nutritiva.

Pra quem se interessou a Pat Feldman, do crianças na cozinha tem uma receita, super mega profissa.

Taí o link:

http://pat.feldman.com.br/?p=5538

Também queria agradecer os comentários e dicas, do primeiro post de receita.

A maioria das mamães falaram mais ou menos a mesma coisa, que toda essa preocupação de que comam é realmente desnecessária.
E eu concordo, eles são espertos e poderiam escolher por si mesmos uma dieta equilibrada… (mas isso já é assunto para outro post…)

Peixinho

Ultimamente tenho exercitado muito a paciência, e tenho me controlado o máximo pra não ficar ansiosa pela falta de apetite do João.
Uma coisa já ficou bem clara: Ele come exatamente a quantidade que quer, nem uma colher mais, nem uma colher menos, e ultimamente a quantidade que ele quer, costuma ser menos da metade do prato.
Sendo assim, procuro que a comidinha dele, seja saudável e com nutrientes variados. Evitando produtos industrializados. Assim compensamos – quantidade com + qualidade.
Nesses últimos dias, uma das coisas que ele mais gosta de comer é peixe, normalmente faço um purê de verduras para acompanhar, ou então um papillote com verdurinhas, e quase sempre ele raspa o prato.
Coincidentemente, ele também aprendeu a identificar os peixinhos nos livros, e descobriu que aqui ao lado de casa, na loja de animais tem uma centena deles, os “eixi” como fala o João, e toda vez que passamos pela porta ele aponta o dedinho para dentro… “eixe” repete até que a mamãe entra um minuto na loja pra ele cumprimentar os amiguinhos.
(Mas por sorte ainda não os associa, com o prato preferido do mês.)

::: Hoje descobri uma receita nova, que foi aprovada pelo Astronauta e vou passar aqui pra vocês:
(receita do livro: “La alimentación de nuestros hijos” – Montse Bradford)

Rolinhos de Linguado com verduras ao pesto
4 filetes de linguado
suco de ½ limão
Vagem (aberta ao meio)
Cenoura (cortada a tiras mais ou menos do tamanho da vagem)
Manjericão desidratado e sal marina.
Pesto:
Manjericão e salsinha frescos
1 dente de alho
1 col. sopa de azeite de oliva
1 col. pequena de pasta de umeboshi*
1 col. sopa de miso branco*
4 col. sopa de amêndoa em pó (eu usei castanha de caju moído e acrescentei parmesão ralado)

1) Bater todos os ingredientes do pesto, até conseguir a consistência de um creme espesso, adicionar água se necessário.
2) Macerar os filetes de linguado com o suco de limão, durante + ou – 15 min.
3) Polvilhar cada filete com sal e manjericão desidratado. Enrolar os filetes com umas tiras de cenoura e vagem no meio, deixando que sobressaia por cada lado. Amarar com barbante de cozinha.
4) Cozinhar os rolinhos ao vapor durante 10 minutos. (ou menos se os filetes forem pequenos). Cortar o barbante.
5) Servir quente com o pesto.

*se encontra em lojas orientais

Bon Apetit!

E vocês mamães? Que andam cozinhando para os filhotes que eles gostam?
Vamos trocar figurinhas?
Aceito receitas aprovadas pela criançada, quem souber de alguma, por favor me envia por e-mail, que vou colocando aqui no blog.

E-mail: joaoastronauta@gmail.com

::: A Rebeca quis saber como o João aprendeu a beber em copo normal sem virar tudo pra ver caindo no chão ou nas pessoas.

Ele aprendeu assim, virando de vez, sujando tudo, se engasgando…
Mas eu tinha uma coisa ao me favor, ele não gosta muito de se melecar, (thanks god!) então por isso, só por isso, ele começou a aprender a controlar o copo, e agora já arrisco até com suco de uva.
Ah… ele nunca tomou mamadeira, não aprendeu, sempre usamos o copinho de transição ou canudinho… acho que isso também facilitou o processo de aprendizagem.
Beijo!

Tudo Chega Tudo Passa

A comadre Bel um dia me falou: “Tudo chega e Tudo passa” e nunca melhor empregado quando se refere aos filhos.

Lembra aquela tosse do astronauta?
Passou…
O xarope caseiro funciona, viu? E recomendo!
E quando o filhote já estava recuperado da tosse e quase dormindo bem e comendo melhor:
Chegou a catapora…

Muitos e muitos beijos depois (recomendados pelas amigas que passam aqui no blog) a catapora também passou, tive a sorte que veio bem fraquinha, um dia chegaram as bolinhas e com os beijos, homeopatia e uma loçaozinha francesa (chique!): Passou... no outro dia já estavam cicatrizando e ele nem quis coçar. (a mamãe aqui também se segurou pra não tirar uma casquinha).
Mas mesmo com a catapora light, ele ficou uns dias, sem dormir direito, sem querer comer e sem ir pra escolinha… e quando chegou o dia de volta-as-aulas: Escândalo, choro, drama… que dura o tempo que os papais estão alí e depois “já está” : – Passou…

E das coisas que chegam e que passam:
Essa semana ele aprendeu a espernear, (oh céus!) mas também aprendeu a imitar o Pocoyo dançando (uma graça!), está encantado com os livros e descobriu que adora formula 1, ficou 15 minutos vidrado na televisão imitando os pilotos e fazendo brummmmm. Voltou a dormir melhor, (só acorda UMA vez, durante tooooda noite), mas também voltou a rejeitar a comida, e enquanto não volta a paciência da mamãe, já não faço malabarismos pra que ele coma.

Vai passar…

Passou…

Enfim, o pequeno Astronauta abandonou a greve de fome e come muito bem, obrigada.

Realmente foi um pouco de tudo que as mamães escreveram por aqui.

A Cristina deu um toque super certeiro dizendo que era o banzo da chegada, que eu relaxasse e lesse o post de quando tínhamos chegado no Brasil… e a verdade é que foi assim também nas primeiras semanas de férias, lá do outro lado.

Outra coisa que eu acredito muito, foi o que a Thaís falou: “criança é assim, né, isso é uma coisa que já aprendi: avança um pouco, regride um pouco, são fases necessárias do desenvolvimento dos bichinhos…” . Super certo… e não só na alimentação, no sono (Rá) e no desenvolvimento geral também é assim. Um passo pra frente, dois pra trás, dois pra frente e um pra trás. E as vezes lentamente e outras vezes nem tanto… vamos avançando.

A Christianne que deixou a dica de tentar controlar a ansiedade baseada na teoria (que vem sendo confirmada na prática da casa dela) de que quanto mais atenção eles têm por não comerem, por exemplo, menos ele comem.

E assim, com tantos comentários legais vindo das “mudernas” como falou a Mari, (explicando essa rede de mulheres que vai crescendo e palpitando aqui, escrevendo dali, inspirando umas as outras, né ?) vamos nos ajudando e vendo que tudo é normal, nesse mundo louco da maternidade.

Comigo funcionou: relaxar, não forçar, respirar-respirar-respirar, deixar ele comer sozinho e mudar um pouco o cardápio… Menos sopinha, mais comida de gente grande. E ele raspou o prato.

Obrigada meninas pelas dicas!

E um super obrigada e muitos beijos, para a Cristina pelo lindo CD, “musicas para entrar em órbita!”. Adoramos!!!!!

Antes de ser mãe

Antes de ser mãe eu dizia que nunca, jamais, nem sob decreto eu iria insistir e forçar o meu filho a comer.
Quer comer? Bem! Não quer? Problema dele.

hahaha

***

A verdade é que forçar eu não forço, mas com o pequeno já a quase uma semana sobrevivendo do ar, de algumas poucas mamadas e insignificantes colheradas de comida eu insisto…

Na verdade, não só insisto, por duas ou três colherzinhas mais, eu canto, danço, coloco vídeos, peço por favor, peço peloamordedeus, finjo que vou comer a comida dele todinha, finjo que o papai vai comer, finjo que dou para a Preta, troco o prato amarelo pelo azul, o azul pelo vermelho, coloco um pouco de azeite, um pouco de queijo ralado, mais um pouco de amor, faço aviãozinho, faço imitações, faço chantagem, deixo ele me ajudar com a colher, deixo ele pegar a colher sozinho, deixo ele fazer bagunça com o prato, rezo e assumo o quão ignorante eu era antes de ser mãe, de tudo que se refere ao mundo materno.

***

Comidinha brasileira

Os primeiros dias no Brasil, o João não quis comer quase nada…
Só aceitava papinha de frutas e mamar, fiquei preocupada porque ele estava bem magrinho e comia muito pouco, mas felizmente a greve de fome não durou muito, e o pequeno astronauta voltou a comer bem e rapidamente recuperou o peso perdido.

Nessas 3 semanas, o filhote gringo, mais brasileiro que nunca já provou e aprovou:
Água de coco, manga, umbu, seriguela, suco de maracujá e caju, cuscuz de milho e de tapioca, caldinho de feijão, sopinha com chuchu, comidinha com coentro, beiju, sequilhos de polvilho, picanha, farofa, arroz com feijão, pão de queijo, chazinho da vovó, caldo de cana…

Com o babador de férias, ele experimentou, se lambuzou e adorou a comidinha brasileira, e a gente se deliciou de vê-lo desfrutando tanto de comer.

O blog estará alguns dias desconectado, vamos passar uns dias na fazenda de um amigo, em 2009 volto aqui pra contar as aventuras do Astronauta no meio do mato.

Feliz Ano Novo!!!

Um beijo.

Flávia

6 meses

Estes últimos meses têm sido avassaladores e maravilhosos.
O tempo voa e o João cresce a uma velocidade vertiginosa.

Com 6 meses o pequeno astronauta, já agüenta a cabeça, já fica sentado sem apoio, já se entedia de estar numa mesma posição mais de 2 minutos, agarra os brinquedos facilmente e revela um interesse crescente observando com curiosidade tudo o que o rodeia, já tem 2 dentinhos e começou a comer sólidos.

A primeira papinha do João foi uma bagunça imensa, ele até que gostou da maça… mas preferiu a colher.

Acompanhar essa evolução é mágico.
Por um lado desfruto muito e por outro… me da um pouco de nostalgia, talvez porque demonstra que o pequeno algum dia deixará de ser o bebe da mamãe para ser uma pessoinha independente… e quer saber? Ja estou com saudades…