Eu, o tempo, os problemas externos e a mãe que eu quero ser.

Sempre tive um certo orgulho da mãe que eu me tornei.

Não um orgulho mesquinho, nem presunçoso de achar que sou perfeita ou mais mãe melhor mãe que qualquer outra… Mas, um orgulho que vem do auto reconhecimento e uma auto valorização pelo quanto eu aprendi, do tanto que eu mudei, dos limites que minha paciência chegou alcançar e por todas as manhãs que consegui contar até 10, engolir o meu mau humor matinal e não explodir.

O meu maior aliado nessa transformação foi ter tido o privilégio de dedicar os 2 primeiros anos e meio, quase integralmente ao João de ter tido tempo para esperar que as coisas aconteçam no seu tempo… e de ter desfrutado sem pressa de cada etapa vivida intensamente por ele e por mim.

Não que essa opção tenha sido sempre um mar de rosas. Óbvio que como todas as escolhas tem o seu dark side, tem pessoas preocupando-se por quando você vai voltar à ativa, tem palpites de todo o tipo te alertando da importância de não ser “só mãe”… Tem as próprias angústias e inquietações sobre quando e como direcionar a vida quando for a hora. Tem cansaço, tem dúvidas e incertezas…

Mas sem dúvida esse privilégio de ter tempo para ser mãe, foi fundamental para ter sido a mãe que eu queria ser nos primeiros anos do filhote.

Quando chegou a hora,  comecei a desejar trabalhar desde casa, projetei poder buscar o pequeno na escola e conciliar da melhor maneira possível a maternidade e o trabalho. Também queria que o tempo de trabalho fosse prazeroso, que eu pudesse desfrutar desse outro lado tanto quanto eu desfrutava de ser mãe.  E conseguisse equilibrar tudo isso – pelo menos na maior parte do tempo.

Comecei a estudar programação, um tempo depois o João começou no cole dels grans – a pré-escola – e ficava uma boa parte do dia na escola, mais ou menos na mesma época que surgiram os meus primeiros trabalhos como programadora.

Depois vieram mais cursos e outros trabalhos, e assumi mais horas no bar, e a casa, a roupa, a compra… E outros cursos, e o Minha Mãe que Disse e outros novos projetos… E o tempo foi ficando escasso…

E o tempo passa rápido quando não temos tempo para contemplação!

E me vi com o desejo realizado de trabalhar no que eu gosto, desde casa, podendo buscar o pequeno na escola… Mas sem conseguir o equilíbrio e sabedoria necessária para priorizar… E muitas vezes caindo na armadilha de justificar o pouco tempo dedicado ao pequeno com um “depois que acabar xy e z eu compenso”.  E cada dia mais cansada e estressada…

Acho que foi mais ou menos por aqui que me perdi no meio do caminho…

E no meio do caminho tinha um mioma, e por consequência hemorragias, uma cirurgia sem sucesso, mais hemorragias, exames… E uma ligação do médico avisando que era preciso ir urgente ao hospital fazer uma transfusão de sangue, porque eu estava com anemia severa e números tão baixos, mas tão baixos de hemoglobina, que por pouco, muito pouco não tive graves consequências.

Passei esse dia no hospital, e a noite…

E nessas duas ultimas semanas que tento tomar a vida com calma, não consigo evitar de pensar quantos sinais eu fingi não ver, do meu corpo avisando que alguma coisa realmente não ia bem…

Quando a vida te da uma chacoalhada dessas é inevitável não voltar ao começo da história e tentar encontrar o lugar exato em que as escolhas foram equivocadas e me fizeram desviar do caminho.

E me vi, eu e minha síndrome de mulher maravilha, assumindo mais coisas do que podia assumir, tentando dar conta de tudo, tentando manter a casa arrumada e alguma roupa limpa na guarda roupa, tentando provar pra mim mesma que posso fazer sozinha… tentando aguentar 5 horas em pé, pra cima e pra baixo, tentando não desmaiar na rua…

Me vi angustiada em não conseguir acabar as coisas no tempo e ver tudo se acumular, me vi sem forças nem animo e sem iniciativa de questionar os médicos e de realmente me colocar como prioridade.

Me vi dedicando tempo e energia a coisas sem importâncias, enquanto dizia ao pequeno constantemente que a mamãe não tem tempo agora, que não posso porque estou cansada, que não posso porque me dói a cabeça… que não posso… que não posso…

Talvez tenha sido, justo aí…

A sorte é que às vezes re-descobrimos a tempo e sem grandes consequências o que realmente importa.

Aprendi que é mais complicado ser a pessoa-mãe que eu quero ser, quando a falta de tempo faz com que rever  prioridades, tenha que ser um exercício diário e constante…

Mas é possível.

Ontem teve reunião com a professora da escola… Hoje tive controle analítico para a próxima cirurgia…

(e ufa!)

Passei nos dois!

40 Comments

  1. Nossa Flávia! Para tudo!
    A gente tende mesmo a acumular muito mais do que realmente deveríamos e a escutar a todos, menos ao nosso próprio corpo, né? Que bom que esta história não teve um desfecho tão ruim, apesar de tudo… E que bom que você pode tirar uma lição e agora tentar fazer diferente…
    Melhoras e se cuida, hein?

    Beijo
    Karen

  2. Marilyn

    Nossa Flávia como vc. está agora? Parece que vi vc. narrando minha vida aí! Me vi em várias cisrcunstâncias, várias dores, a mãe estressada que as vezes vive reclamando do tempo, e o pior passando por um processo de doença terrível tb! Eu tb fico me perguntando como pude deixar de lado todos os anúncios que meu corpo me dava… que coisa! Obrigada por compartilhar conosco. Me faz chorar faz… Cuide-se e mande notícias ok!

  3. Flávia, eu não sabia disso tudooo!!! Nossa, não sabia, não imaginava, que punk, mulher…. para tudo mesmo! A gente, com a síndrome da Mulher Maravilha, vai definhando aos poucos, emagrecendo muito (e um montão de gente acha bonito a mãe magra, acabada, cansada, pq justifica o papel de mãe…), cansada, triste, sem tempo, sem prioridades definidas, sem carinho…. com muitas tarefas. E não escutar o nosso corpo é básico, a gente escuta o pum do filho no quarto ao lado, observa quantas vezes eles tomam água durante o dia, quantas vão ao banheiro, mas não escutamos nossa constante enxaqueca, nossas prisões de ventre, nosso emagrecimento repentino…. vc está certa, há que se avaliar em que ponto no caminho vc se perdeu, pq todas nós nos perdemos (ou a maioria, vai), pelo simples fato de ter filhos, maridos, casa, trabalho…. é cansativo, mas temos que aceitar nossos limites, e acho incrível que vc tenha conseguido interpretar tudo isso agora, sem maiores consequencias. De fato.

    Espero que vc se recupere totalmente do problema da anemia, que se recupere em energia, força, querer fazer. Que seja cada vez mais disponível para o João e para o marido, mas que, sem dúvida alguma, seja você 100% feliz e saudável, antes de se doar a quem for.

    Se cuida, você é especial para muitas mães, inclusive para mim, viu?

    Beijos grandes!!!

  4. Puxa, Flá, que coisa. Vc vai fazer outra cirurgia, então? Queria tanto estar aí com vc agora. Este post foi um ótimo alerta para nós, mães, trabalhadoras, que teimamlos em acumular tudo achando que vamos dar conta. Eu não sou mais tão multitask, eu tenho mesmo que eleger prioridades, mas nem sempre consigo. Lendo este post, lembrei do meu próprio post sobre o assunto e vou lá correndo ler o livro que a Ciça pediu para eu ler para ela e eu não li porque estava trabalhando (e depois fui blogar, ó, que feio…).
    Beijo grande, bonita, se cuide e conte comigo e minahs boas vibrações sempre!

  5. Flávia, vai dar tudo certo. Estou passando por uma fase parecida e pelo visto encontrei outras mães com os mesmos dilemas. Sem a questão cirúrgica no meu caso, mas outros problemas que nos levam a questionar e pensar melhor sobre nossas escolhas e estilos de vida. Dedos cruzados para que tudo se ajeite. Bjks

  6. Jussara

    Caramba, Flavia, que punk tudo isso. Fiquei meio assustada enquanto lia. Graças a Deus você descobriu a tempo e agora tenho certeza que tudo vai se encaminhar bem. Espero e torço para que desta vez a cirurgia seja bem sucedida e que você se recupere prontamente. Acho que quase todas as mulheres têm essa síndrome da mulher maravilha, em maior ou menor grau, mas é como você disse: nem sempre paramos pra ouvir os sinais que o nosso corpo dá.
    Deixo aqui minhas boas energias e meus desejos de que agora tudo fique bem!
    Beijos e um grande abraço.

  7. Flávia,
    Como a vida é… o tempo então… a verdade é que somos teimosas e achamos que daremos conta de tudo. Mas a verdade, é que precisamos dar tempo ao tempo, fazer uma coisa de cada vez. Que mania que temos de abraçarmos tudo. Também tenho tido a prova por aqui.
    Espero que fique bem e que daqui pra frente tudo caminhe da melhor maneira possível.
    Um grande beijo.

  8. Nossa, Flavia..
    Tomei dos sustos: Um por vc, por tudo.. pela preocupação de, mesmo tão distante, saber se vc esta melhor.. se está bem!
    O segundo foi por tomar um chacoalhão e me ver da mesma maneira… abraçando o mundo sem conseguir dar conta e me sentindo fracassada e deixando coisas importantes de lado.. e pior.. pelo q vi, não estou sozinha nessa!
    Faz parte da nossa natureza, isso?! rs
    Mando todas as vibrações positivas para que vc se restabeleça completamente e fique. E que as coisas caminhem bem.. e mais acompanhando o seu ritmo… os passos que vc puder dar!
    Bj grande em vc!

  9. puxa o freio de mão! nossa! se cuida mulher!
    as vezes certas coisas acontecem na nossa vida para mostrar outras! e tu tirou a lição!
    esse post fica de aviso pra nós mães que também estamos ligadas no 220v!
    beijos e melhoras rápidas!

  10. Nossa, Flávia. Então era essa a razão do seu sumiço no blog?

    A gente é assim mesmo. Quer abraçar o mundo, mas quase nunca dá conta de fazer tudoaomesmotempoagora. Digo quase, porque às vezes consegue, mas aí quem sofre é a nossa saúde. E nada melhor do que revisitar nossas prioridades e encontrar um novo rumo, com mais qualidade de vida.

    Bju e boa sorte na próxima cirurgia!

  11. Flavia que susto! Realmente essa cobranca que temos dentro de nos mesmos para assumir todos os papeis que as mulheres tem que exercer e de ser exitosas em todos e mesmo muito dificil. Me sinto assim nessa minha fase e por vezes me pego pensando se nao sera melhor dedicar mais tempo a curtir, a cuidar de mim. Eu espero que vc esteja melhor, que vc esteja mais perto do equilibrio na sua vida e q tudo esteja bem! Beijos

  12. Patricia

    Fláviaaaaa
    Quanta coisa…menina, estou aqui sem palavras.
    Bom, primeiro, todas as energias positivas para que sua segunda cirurgia seja um sucesso e vc fique bem de saúde.
    E que você encontre este equilibrio que procura. que todas nós procuramos.
    obrigada por dividir tudo isto, talvez seja um alerta para todas nós, que sempre queremos abraçar o mundo e ignorar qq sintoma que nos avise que precisamos parar um pouco.
    Um abraço bem forte

    Pati

  13. Ana

    Querida querida…
    te desejo muita paz e saúde, pra curtir e educar o filhão, pra dar duro e aproveitar o marido, pra se dedicar ao trabalho, e pra botar os pés pra cima e ouvir só o som do seu corpo.
    Com certeza precisamos de muita sabedoria pra equilibrar tudo! é dificil mesmo!
    to torcendo e te enviando vibrações positivas, um abraço bem apertado!!!

  14. Meu coração ficou apertado agora. Sabe quando dá vontade de correr ai, dar um abraço, oferecer uma ajuda? Quero que tudo fique bem logo. Você é uma pessoa especial e já está transformando tudo isso em sabedoria, mas nem por isso deixa de ser dolorido. Se cuida!
    Super beijo!

  15. Caramba Fla! Que susto, menina!
    E olha, te garanto que muita mãe se identificou com esse teu desabafo. Eu mesma já tentei ser mãe mulher maravilha e dar conta de tudo. Não consegui, fiquei mega estressada, descontando meu cansaço em tudo e ficando menos tempo com o filhote. Quando consegui tirar uns dias e fiquei com o pequeno na casa da minha mãe, sem preocupações com casa, comida, escola, trabalho, tudoaomesmotempoagora… acalmei. Que descanso restaurador!
    Que todas nós consigamos encontrar esse equilíbrio tão necessário à nossa vida…
    Melhoras, muitas, pra vc… E nos dê notícias, ok?!
    bjao!

  16. E é nessa hora que a gente reve as prioridades. Flavia, espero de coraçao que tudo se organize por ai. E que voce se cuide bem muito, porque nos queremos ver voce bem, para voce continuar sendo essa qua-se super heroina. Te admiro e me inspiro em maes como voce. Que Deus te abençoe. Um beijo

  17. Fla, que loucura mulher!

    Eu deixei o blog (o meu e dos outros) de lado por um tempo, pra curtir o meu tempo final de mãe de filho único, para que ele tenha a minha atenção e o meu carinho exclusivos até o nascimento da pequena. Porque depois vai ser diferente. Não digo melhor nem pior, mas diferente! E quero nos dar a chance de aproveitar!

    Ainda assim, alguns blogs não dá pra deixar de ler e em alguns casos, não dá pra deixar de comentar!
    Só quero te dizer que estou torcendo muito pra que tudo fique bem por aí, viu queridona!
    Beijos especiais cheios de carinho!

    Queridona,

  18. Puxa Flavia, imagino como você esta e sei que não é mole conciliar tudo e ainda ter o tempo com o filhote. E o nosso corpo, não tenho duvidas, sente também. Se tem uma coisa que me incomoda é estar fazendo algo importante e a Bê querer atenção e perguntar “ja terminou”? Não é legal mesmo. Eu tenho evitado ficar no computador quando ela esta em casa e me policio com o tempo que passo nele quando eu preciso. O resultado disso é que fiquei bem afastada do blog, comentarios, FB, etc. Agora que ela esta na escola, o tempo esta voltando a ser meu amigo e me organizo melhor sozinha (inclusive cuidar da casa, que vc sabe, a gente tem que dar conta). Uma outra fase outra etapa, outra rotina, que antes era bem mais dificil.
    Melhora viu, se cuida e faço coro com as meninas na torcida de que tudo fique bem por ai.
    Ana Paula

  19. Flavia, que susto, hein? Estimo melhoras e sucesso na próxima cirurgia, paz e serenidade para eleger as prioridades; perseverança para superar os obstáculos, energia para dedicar mais ao filhote e esperança porque nessa vida tudo há de dar certo! Bjo

  20. Caramba, Fla, que susto. A Mari tinha me falado que você não estava legal, mas achei que era uma gripe mais forte ou coisa assim. Espero que esteja melhor de saúde. E que aos poucos consiga reencontrar o equilíbrio que incessantemente todas nós, mães, buscamos.
    Se cuida.
    Beijos,

  21. Querida Flávia,
    engraçado como sua história é comum a muitas mães de hoje em dia. Deve ser essa epidemia de mães-maravilhas que está fazendo muitas de nós irem além dos nossos limites. Que bom que, apesar de querer dar uma de mulher maravilha de vez em quando, vc é uma mulher e mãe muito sensata e inteligente. Foi capaz de se auto-analisar e avaliar o que estava te fazendo desviar do caminho. Como vc mesmo disse, essa não é uma tarefa fácil, mas tenho certeza que vc vai conseguir retomar as suas prioridades e ficar em paz com seu corpo e sua consciência. Estou torcendo pelo sucesso da próxima cirurgia e para sua rápida recuperação.
    Grande beijo,
    Celina.

  22. Oi Flávia,
    eu de novo! Só pra contar que eu também tenho um post que tem …”e a mãe que quero ser” no título e fala justamente da aceitação dos nossos limites. Se tiver um tempinho, dá uma lida lá: http://avidasecretadasmaes.blogspot.com.br/2012_01_01_archive.html
    Bjs.

  23. Nossa Flá, que barra!! Sabe que passei há pouco por uma dessas né? Turbilhão de pensamentos vem e vão e o importante é se cuidar e olhar para os avisos que a natureza nos dá. Fique bem, se cuide…
    Estarei daqui, te enviando ótimas vibrações e que vc se recupere tão bem como eu me recuperei. Tudo vai passar, acredite!!
    Ah!! Muita música e fé!! Alegria é o melhor remédio para uma boa recuperação.
    Abraço bem especial, Ju

  24. Aline Moreno

    Flavia,
    Eu entendo exatamente o que vc disse! Na maioria das vezes essa cobrança parte de nós mesmas para que todas as coisas funcionem em conjunto, e quando não, nos frustramos e questionamos nossa “capacidade”.
    Mas existem limites que aprendemos com o tempo a respeitar. Na verdade eu ainda estou aprendendo a lidar com essas questões!
    O que desejo é que vc se cuide, fique bem, se recupere logo querida! Quando tudo passar se sentirá mais disposta para lidar com os desafios da vida e terá um aprendizado enorme que fará diferença lá na frente!
    Obrigada por compartilhar conosco sua história, que com certeza terá muitos capítulos com finais felizes!
    Bjo

  25. Flavia,

    tô no meio da correria de trabalho, mas não queria deixar de comentar.

    Então, só pra deixar meu abraço apertado e pra dizer que tenha força e fé, porque tudo vai ficar melhor, você vai ver!

    beijos

  26. Priscilla Perlatti

    Tempo, esse fujão! A hora que a gente acha que ele está sob controle nas nossas mãos ele dá um duplo twist carpado e vai para o beleléu! Mas a gente é mãe e só trabalhamos com a possibilidade de final feliz.
    Um beijo grande e assim como as bonitas aqui de cima, estou mandando via cabo energias positivas para que tudo saia bem!

  27. Oi, Flávia.
    Muito bom o blog e o texto de leitura gostosa e grande aprendizado.
    Passei por algo parecido há pouco tempo, quando não “ouvi” os sinais do corpo e insisti em fazer mais do que podia. Sem dúvida analisar o momento, ver o que a vida busca ensinar e aprender (mesmo!) é o mais importante.

    Abraços e tudo de bom,
    Natália.

  28. Fiquei muito tocada com isso tudo, Flavia…
    Tão difícil estar sempre pensando e repensando nossas prioridades, tão fácil cair nas armadilhas…
    Querida, desejo o melhor pra você sempre. Que os problemas de saúde possam logo ir embora e que você encontre de volta o seu caminho.
    Beijo grande

  29. Melhoras pra ti!
    Ser mãe é ir se adaptando, não? Todo dia, eu acho.
    Sua reflexão é linda ❤
    Bjos, querida!

  30. Hola Chiquita, tá melhor?
    Sobre priorizar… aproveite o embalo e priorize-se, gata. Ando cada vez mais apostando na ideia de que, para o filho estar bem, a mãe também tem que estar. Né?
    Dá notícia?
    Beijão!

  31. nine

    guria, faz dias que li, mas nessa fase mãe de 2 não é fácil comentar! espero que estejas melhor! tenho muito carinho por vcs! bjos!

  32. Oi queridona!

    Espero de coração que tudo esteja se ajeitando, devagar, no ritmo do possível.
    Um beijo grande e fica bem!

    Ananda.

    http://projetodemae.wordpress.com/

  33. ô querida! que susto, hein… tenho pensado tanto em você e nem sabia que tava rolando tudo isso por aí….
    espero que esteja tudo melhor agora, e desejo, de coração (pra você, pra mim, pra todas nós) que a gente consiga eleger nossas prioridades, fazer escolhas com sabedoria e não deixar passar esse tempo precioso dos filhotes… ontem mesmo tive insônia pensando nisso (estou me sentindo tão em débito com os pequenos e comigo) e esse seu post brilhou como um alerta para mim.
    Fica bem, e receba todo nosso carinho que, apesar de ir por meios digitais, é bem real!
    beijo grande querida
    tha

  34. Uma vez eu caí da escada e engessei a perna. Na época estava em terapia e minha analista me disse: se a gente não para a vida para a gente.
    Nunca mais olhei as leis da física como uma sequência de acasos, há sempre algo para aprender! que bom que o tufão já passou.
    Bjos e melhoras definitivas :)

  35. Oi, querida, cheguei tarde, estava (e estou!) tentando conciliar mil coisas, deixando umas 200 pelo caminho. Como é difícil. E como te entendo.
    Olha, ainda bem que tudo deu certo. A cirurgia, o autoconhecimento. A gente precisa parar as vezes para respirar e re-estruturar a vida mesmo.
    Este post valeu como uma ótima reflexão. Obrigada por suas palavras e te desejo tudo de melhor.
    Um grande beijo!

  36. Flá, não sabia disso! E tenho certeza que essas não serão as únicas provas de sua vida, mas sei que vc passará em todas pq vc é comprometida, antenada e consciente! Olhar para vc mesma, é o principal caminho rumo ao sucesso, seja na maternagem ou no profissional. E desejo que vc possa se cuidar e olhar cada vez mais para dentro de vc mesma a partir deste momento complicado. Vc é uma ds pessoas que mais admiro na blogosfera materna, muito antes da criação do MMqD, acho que já te disse, mas se não falei, fica registrado aqui agora! Torço SEMPRE por vcs! Um mega beijo carioca! =)

  37. Olá!
    Hoje vim parar aqui no seu blog e acabei de ler seu texto que me emocionou muitíssimo, espero que sua recuperação seja rápida e perfeita! E obrigada por ter me dado um alerta para ver que, apesar das pressões externas e internas, devemos nos escutar e relaxar na condição de ser-humano e não de super-herói, e nos permitir ser mãe integralmente com toda a sua beleza (e suas chatices também). um beijo.

  38. Flávia, quase nunca caio aqui, mas o contato da Roberta me fez fazer um tour nos brogues das patroas do MMqD. E que bom que li este texto. Eu, mãe de segunda viagem, com um bebê de 15 dias aqui do meu lado e orçamentos de trabalho para concluir. Fiz o mesmo que vc e, qdo minha primeira filha nasceu, parei tudo, me mudei para o interior e curti todas as etapas dela – até seus 1 ano e 8 meses, qdo a coloquei na escola. Daí quis trabalhar, pela grana e tb para provar que podia voltar ao mercado e me sentir útil. Trabalhei pacas, engravidei, tive muitas complicações e só no oitavo mês chutei o pau da barraca e voltei ao desemprego. Foi fundamental, para poder ter aquele tempinho besta e curtir a barriga, a criança se mexendo, o ócio, a alegria e a melancolia… E cá estou eu tendo de tomar novas decisões. Seu texto foi bom para eu refletir. Veremos o que vai dar. Bjs e melhoras para vc.

  39. Olá Flavia, descobri o seu blog pelo “minha mãe disse” depois de ler o seu post só posso desejar-lhe que tudo corra pelo melhor e que fique bem rapidamente.
    Sabes ao ler identifiquei-me bastante consigo, eu tb optei ficar em casa depois do meu filho nascer e acredito que fez toda a diferença. Agora ele fez seis anos foi para a primária, tenho mais tempo, mas tb estou a lidar com um cansaço tremendo. Não por culpa do meu filho (ele é o que tenho de melhor) mas porque a vida e o nosso corpo nos prega partidas. Neste momento tenho tantos projetos em mente e luto contra a minha falta de animo para os concretizar. Acredito que é uma fase que passageira e a vida voltará a sorrir!
    http://dadinhahistorias.blogspot.pt/
    Beijinhos
    Dadinha

Leave a Reply to Liza Cancel Reply