O desmame

Ei, pequeno Astronauta,

Durante muito tempo pensei no quanto seria difícil deixar de te amamentar, nunca soube exatamente se era por causa da tua adoração por minhas tetas, ou por minha própria dependência de te ter aqui plugado, e de te sentir parte de mim dessa maneira tão especial, que sempre foi pra nós dois, a amamentação.

Tenho que admitir que apesar de ter desfrutado muito de ter amamentado por mais de 20 meses, alguns comentários e a típica pergunta “ainda mama?” tiveram uma pequena parcela de influencia na decisão de quando desmamar.

Mas por outro lado, penso que nunca imaginei que duraria tanto, e talvez os comentários e a típica pergunta “ainda mama?” me fizeram ter mais convicção do que realmente era importante pra você e pra mim.

O processo do desmame começou sem eu que me desse conta, foi quando você pensou que “livre demanda” significava mamar toda hora, você já tinha 14 meses, e muitas vezes chorava para mamar, e quando eu te colocava no peito, você ficava meio minuto e já queria fazer outra coisa.
Decidi controlar um pouco as mamadas do dia, sempre quando você pedia eu te oferecia outra coisa, um iogurte, jogar bola, contar uma história, passear… na maioria das vezes você preferia fazer a outra coisa, então foi quando você deixou de associar o “tédio instantâneo” ao mamar, e cada dia que passava mamava menos.

Quando você ficava doente, ou caía e se machucava, ou simplesmente acordava da soneca da tarde um pouco mau humorado e nada te consolava, recorríamos ao nosso momento especial, e milagrosamente tudo ficava bem e é difícil descrever a importância que teve para mim ter te colocado no meu peito, cada vez que você estava cabisbaixo, febril e manhoso, e ver como você reagia melhor e eu também, porque me sentia uma super mãe com o super poder de te fazer feliz e orgulhosa de ter insistido e acreditado na amamentação prolongada.

Em abril, quando você tinha 15 meses, e ainda acordava muitas vezes de noite para mamar, decidi começar o desmame noturno, foi difícil no começo, mas você o assimilou bem, depois trocamos a parte da rotina de dormir que incluía te dar o peito até que você dormisse, por teus livrinhos preferidos e você gostou da idéia.

Então você só mamava uma ou duas vezes por dia, e as vezes nem mamava. Foi quando veio Paris, e eu pensei que seria o fim da nossa história de amamentação. Mas não foi assim, mesmo com um break de 5 dias, meu leite não secou, e sua vontade de mamar não acabou.

Depois a mamãe teve uma infecção na garganta e teve que tomar antibiótico forte e dar um tempo na amamentação, mais uma vez. Dessa vez foi durante 6 dias e no final, a mamãe continuava tendo leite (só de um peito).

Mesmo mamando pouco, você não demonstrava sinais de querer parar, muito pelo contrario, e eu estava tranqüila com o ritmo das mamadas, e não me preocupava o “até quando?”.

Então você completou 20 meses, já fazia um tempinho vinha demonstrando sinais eminente de independência, os “terrible twos” começava a dar sinais de vida, e isso começou afetar o nosso momento especial. Você já não conseguia fazer a soneca da tarde mamando, então pedia mais, e mais, as vezes queria e não sabia o que queria, e uma tarde depois de 4 tentativas frustradas de dormir mamando e sua visível irritação porque parecia que já não saía leite do peito, eu te disse nervosa “basta”, que a mamãe estava cansada e não podia e nem queria estar toda a tarde com você pendurado no meu peito. Por mais que eu tente controlar, as tardes em que você não consegue fazer a soneca, são muito estressantes pra mim e as vezes me esqueço (e não quero esquecer) que são tardes difíceis pra você também.

No dia seguinte você não pediu para mamar, e eu não ofereci o peito e foi passando um dia e outro e quando me dei conta já tinha passado uma semana, durante esses dias você pediu pra mamar uma vez ou duas, mas aceitava sem reclamar qualquer alternativa oferecida pela mamãe.

No meio de tantas coisas acontecendo, mudanças de comportamento, fim das férias, nova rotina, demorei um pouco para assumir que dessa forma tínhamos concluído o processo do desmame.
Me senti estranha quando disse pela primeira vez “o João já não mama”, talvez porque isso significa muito mais do que simplesmente “já não mama”, significa romper um pouco mais o cordão que nos une, significa que você está crescendo, ganhando sua identidade e independência.

É o começo de um novo ciclo, se por um lado não posso evitar de sentir uma pontinha de tristeza e de saudades do bebezinho que passava o dia pendurado no meu peito, por outro lado , tenho um orgulho que não cabe no peito da pessoinha que você está formando… festejo o “novo” e a sorte que eu tenho de ser tua mãe.

Te amo! com amor,

Mamãe

31 Comments

  1. A infância é cheia de pequenas perdas (para nós e para eles). E acho que a gente tem de superá-las (como eles fazem rapidamente) e festejar a nova fase que vem chegando e se instalado de mansinho. O link entre vcs nunca será quebrado.
    Beijos!

  2. Ai Flá, não vale escrever tão bonito assim…eu choro!
    E fico feliz também por poder acompanhar essa sua história do desmame! Esse final feliz! Beijo, querida! Outro pro Astronauta mais fofo que eu conheço! Dani

  3. Lindo Flá!
    Parabéns por uma história tão bonita de aleitamento!
    Cumplicidade é a palavra chave!
    Beijos!!!

  4. Meu filhote me desmamou aos seis meses completinhos, acho que eu sinto mais falta deste momento do que ele, ele agora quer descobrir o mundo com as mãozinhas, experimentar novos sabores… como você mesma disse, um novo ciclo se inicia. hoje, eu sinto meu elo com Arthur ao niná-lo pra dormir, ao pegá-lo no colo quando ele está contrariado e ele se acalmar na hora, ao ver um sorriso meu correpondido…estou aprendendo que a gente cresce junto com eles… sejam felizes, e como me disse minha melhor amiga, parabéns pelos peitos de volta!
    Beijos!

  5. Parabéns pelo texto!
    Vão se a mamadas e virão muitas outras experiências tão fascinantes quanto.
    bj

  6. aiii ! emocionada e muito feliz! Tudo tem a hora certa no momento certo! Saudades! Bjão pra vcs.

  7. Fla, voce me arrancou lágrimas. Entendo bem cada linha que voce escreveu, esse sentimento que tem dentro de voce. Nossos pequenos estao crescendo tao rapidamente, ne? Novas experiencias tao maravilhosas quanto a amamentacao virao, outras perdas tambem virao, afinal tudo isso faz parte do processo de ser mae. Parabens e obrigada por compartilhar algo tao lindo capaz de tocar tao fundo o coracao das mamaes que sempre passam por aqui.
    Beijos

  8. eita, que bom você contar essa historinha para o astronauta e, de quebra, para nosotras, mamães de primeira viagem enfrentando dilemas tão parecidos. sua história de amamentação é um exemplo, e tudo tem o tempo de começar e de terminar. que bom que foi tranquilo para os dois, curta muito essa nova fase do relacionamento de vocês!
    me identifiquei (só pra variar) muito com seu texto, caio está exatamente na fase de ficar às vezes a tarde toda pendurado no peito, e se eu tiro ele acorda p da vida… enfim, vamos ver onde isso vai dar!
    beijo grande,
    tha

  9. Anonymous

    Leio o blog religiosamente todos os dias, e me incomodo quando os posts demoram a aparecer… São posts como esse que me fazem ver quão bonita é a sua história com o pequeno astronauta e me fazem querer voltar sempre sempre.

    Imagino quando ele crescer e ler a história lindissima de vcs…

    Nayara

  10. Vou ler e reler e reler e reler este post porque me tocou. Sinto que, em breve, passaremos pelo mesmo. Um beijo em vcs dois. Muita ternura nas suas palavras lindas

  11. Nayara,

    obrigada pelas visitas, e pelo comentário carinhoso.
    São os comentários como esses que me faz ter um compromisso de atualizar o blog com mais frequencia e mais capricho. Obrigada de coração!

    E meninas: vocês são lindas! Obrigada pela força, bom fim de semana.

    beijos

  12. Ai Flavinha, me fez chorar…A Lara parou de mamar com 4 meses, nossa, eu chorei qdo ela não aceitou mais e até hj sinto falta desse momento…
    Bjos

  13. Fla!
    Que lidno post, chega a emocionar. Quando terminei de ler me vi nas suas palavras… Como encerrar um ciclo tao importante, como deixar a indendencia vir e deixar os nossos filhos irem? Acho que a sensação de desplugar é mais sentida pela mãe do que pelo filho. A Béa esta prestes a completar 4 meses, esta cedo para eu falar e pensar em desmame, mas sei que esse dia vai chegar e as suas palavras me levaram a pensar com o coraçao, que é um processo lento e de adapatações para ambas as partes. Besitos e otimo final de semana de “quase” outono!

  14. Anonymous

    Tens un do especial per plasmar els teus sentiments, vivencies i emocions, es el millor llegat que tindrà el teu fill quand es faci gran, no deixis d'escriure. La Iaia

  15. Fiquei emocionada.
    Vi seu blog na comunidade PR e bim xeretar… eu amooo amamentar e talvez por isso senti o quanto vai ser dificil eu desmamar meu bb tb…
    Abraço

  16. Ah…esqueci de contar… O que me resta agora dessa fase, são os beijinhos que de vez em quando ela dar, acho a coisa mais linda do mundo!Bjos

  17. Oi Flávia
    Pois então, o desmame é um caso sério, principalmente pra nós. Na verdade acho que eles se viram bem melhor que nós. Fica aquela sensação de vazio. O Chico desmamou com 11 meses, eu tive que fazê-lo já que o leite secou e ele já andava me mordendo. Queria ter amamentado mais. Achava que conseguiria até os 2 anos, era esse o meu desejo, mas não deu, infelizmente. Mas o processo tem lá suas alegrias, e a independência deles é a melhor de todas. Saber que ele pode ser alimentado por qualquer pessoa é um sossego também.
    Lindo texto. Parabéns.
    bjinhos
    E venha mais vezes ao “Conversa”.

  18. Mariana Tezini

    leio sempre e nunca comentei, mas seu post de hoje é lindo, me emocionou…

    ainda vou demorar para viver isso, já que meu pequeno tem somente 3 meses, mas já percebo que é um momento muito especial o desmame.

    bonito demais esse post.

    abraço

  19. Luísa

    Oi Flávia, vi hoje seu comentário no meu blog. :) Parece que agora que estou longe a vontade de comidas típicas aumenta hehehe

    ****

    Parabéns pelo texto!

    Li seu relato de parto e adorei… Parabéns novamente.

    Beijos

  20. Nossa !
    fiquei um tanto emocionada com esse relato.
    =]

    demais flah !

    bjs

  21. Olá, Flavia. Antes de tudo obrigada pelo lindo comentário lá no blog. Sinta-se sempre bem-vinda por lá. Fiquei feliz com mais uma amizade, é isso que faz a vida melhor. Passarei por aqui sempre e procurarei seus outros posts para ver o porquê de 'astronauta'… fiquei curiosa. Hehehe. Em relação ao desmame é fogo pra gente. A Maria Fernanda mamou até 1 ano e super bem, eu adorei amamentar e também senti o fim, normal… o que importa é a gente aprender que depois que sai do barrigão eles são do mundo e por isso temos de prepará-los com muito amor pra serem felizes. Você está indo nesse caminho, parabéns. O seu texto é lindo, que maravilha será quando ele puder ler e entender as suas doces palavras. Um beijo enorme e muito prazer!!!

  22. Rebeca

    Parabéns por mais esse passo! Vai ser sempre assim, uma dorzinha gostosa. Aqui nós já tivemos que ouvir: tenho uma notícia ótima mas dolorosa para vocês “meu peito começou a crescer”. Pânico! Mas ao mesmo tempo muito gostoso.

    Beijos pros 2

  23. Oi Fla, li e me deu uma peninha… Mas é parte da vida, né? Cada dia uma novidade, cada dia mais independente e a segurança dele vem da sua e dessa ligaçao tao mágica que há entre vocês.

  24. Flávia,

    Parebens para voces dois, uma conquista para mae e para o pequeno, que Deus esteja sempre acompanhando os passos de voces e que essa nova fase venha com muito outros vinculos a serem criados e manhas, e chamegos, e gostosuras mil!!

    Beijocas!

  25. Nossa..eu aqui preocupada sobre o COMEÇO da minha missão de amamentar… e nem tinha pensado que um dia vou ter de enfrentar o fim disso… Não sei se meu filho vai mamar por tanto tempo…só o tempo poderá dizer como será…mas tenho certeza de que vou lembrar deste seu texto quando chegar a hora de encerrar minha história de amamentação com o meu bebê. Beijo!

  26. Nathalia

    Fiquei muito emocionada lendo esse texto. Nem imagino como sera essa sensacao ja que eu e Tomas ainda estamos comecando… mas, como sempre, voce enfrenta tudo com uma docura e uma fortaleza invejaveis!
    Um beijo grande,
    Nathalia

  27. Como assim eu não tinha visto esse post? Que coisa mais linda esse texto. Fico feliz que o desmame tenha sido tranquilo para os dois! Eles crescem, né? Muito mais rápido do que a gente imagina e gostaria!
    As tarde que o André não consegue tirar uma soneca são muito estressantes pra mim tb e eu procuro nunca esquecer que ele tb fica cansado…
    beijo enorme, querida!

  28. Eu sabia que seria emocionante ler este post, mas não contive minha curiosidade em saber como foi o processo do desmame.
    Aparentemente tranquilo e sem traumas. Eu gostaria que fosse assim aqui também. Eu já tive dias, ou melhor, noites em que quis tentar começar o desmame noturno, mas foi muito triste vê-lo chorando compulsivamente com os braços esticados na minha direção. Desisti. Mas confesso que muitas noites em sinto exausta.
    Bjocas

  29. Flavia…
    Ai ai…
    Li o post da Paloma e este seu post do desmame estava la em baixo, fazendo conexão com o tema… Ja javia lido este seu post mais de uma vez e me marcou muito a forma como vc descreveu a rotina de desmame do João. Até comentei aqui e a Béatrice tinha 4 meses na época. Hoje, digo HOJE mesmo, esta noite, o Ju a colocou para dormir. FOi o primeia vez que ela dormiu sem a sua tetê. Hoje, com 18 meses, esta naquela fase de ficar um pouquinho e ja se distrai com outra coisa. Se eu oferecer um iogurte, uma voltinha na quadra ou sei la mais o que, tudo isso sera mais interessante que a tetê. Hoje, pela primeira vez, depois de “chupeitar” em mim (coisa que eu explico para ela que eu não gosto, que na mamãe é so para o leitinho!), olhei para ela e falei “se Béatrice não quer o leite da mamãe, é porque o mama ta chegando ao fim”. Pela primeira vez senti um aperto na garganta e acho que o nosso momento de desplugar esta proximo de acontecer. REler este seu post HOJE foi um consolo pra mim Fla. Se este for o caminho natural, se estes forem os sinais de que a Béatrice ira deixar a tetê dela, acho que a mamãe aqui vai sentir muito o desmame! Grande beijo!!

  30. Nossa que bom foi ler esse seu post.
    Minha filhota vai completar 25 meses e ainda mama, mas estou dando sinais de cansaço.
    Não sei muito bem por onde começar o desmame, mas foi uma luz seu relato.
    Obrigada de coração!

    Gi do Prado
    http://saopauloparacriancas.blogspot.com

  31. Paula Fernandes

    OI Flávia!! Acabei de te encontrar e li esse texto….chorei!!!
    Saudade da minha pequena (1 ano e 2 meses) mamando,…e gostoso compartilhar esse sentimento que senti, as dúvidas, os medos….as perdas e ganhos de toda nova fase!!!

    Obrigada por esse momento!
    Beijo grande.

Leave a Reply to Nathalia Cancel Reply